América do Sul
agosto 3, 2009 posted by Clarissa Donda

Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Então, continuando…

O roteiro inicial da viagem, como eu havia dito, foi feito com base nas dicas dadas nos fóruns de discussão do site Mochileiros.com

Então, a idéia era fazer:

Rio (BRA) – Santa Cruz de La Sierra (BOL): Num vôo da Gol Linhas Aéreas.

Santa Cruz – La Paz (BOL): Também de avião. Compraríamos as passagens assim que chegássemos no aeroporto. A alternativa de fazer esse percurso de ônibus foi imediatamente descartada quando soube que seriam 18 horas num ônibus, numa estrada super esburacada, numa subida absurda ( a parte da cidade de La Paz está a 3.000 metros de altura) e num esquema em que a não necessariamente a capacidade máxima de lotação do coletivo é respeitada – ou seja, você pode viajar com 30 pessoas a mais, que também não necessariamente tomaram banho há 18 horas atrás. Fora as constantes greves dos bolivianos, que tem por hábito fechar as estradas. Então, sério: considere se não vale a pena você se dar esse conforto…

Vista de La Paz Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Vista de La Paz!

La Paz – Copacabana (BOL): Apenas 4 horinhas de viagem de ônibus, com direito a conhecer essa cidadezinha de nome familiar e às margens do Lago Titicaca. Em tempo: o esquema do ônibus citado acima é o mesmo, mas por quatro horas só tá tranquilo, né? Outra coisa: são vans e ônibus genéricos, não sei como está a coisa agora, mas na época não tinha uma empresa específica que fazia este transporte. Ou seja, foi chegar na hora e perguntar mesmo.

Orla do titicaca na Bolívia Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Orla de Copacabana, às margens do lago Titicaca

Copacabana (BOL) – Cuzco (PER): 15 horas de viagem, que dão perfeitamente para fazer à noite, de ônibus. E aí curtir uns 5 dias em Cuzco, para conhecer tudo com calma. Procure a Viação Flores, peruana, e se possível executivo, que o banco reclina. É uma boa pedida e confortável, acredite.

Paisagem valle sagrado cusco Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Vale Sagrado dos Incas, perto de Cusco

Cuzco – Arequipa – Tacna (PER) – Arica (CHL): Um dia de viagem. Pegaríamos um ônibus em Cuzco que nos deixaria em Arequipa, viajando de noite. De lá, outro ônibus até Tacna, onde algumas vans fazem “lotada” para atravessar a fronteira (o que seria tranqüilo, segundo os depoimentos) e nos deixam em Arica, cidade no extremo norte do Chile.

Arica – San Pedro de Atacama (CHL): Após dois diazinhos em Arica relaxando na praia, uma viagem noturna de bus para conhecer San Pedro. Pergunte no albergue como fazer para saltar de para-pente, lá é ótimo pra isso!

San Pedro de Atacama (CHL) – Altiplanos Bolivianos – Salar de Uyuni (BOL): Aventura total! Em San Pedro existem alguns tours de 4X4 de 1, 2 e 3 dias, que levam para conhecer os Altiplanos Bolivianos, o deserto de Atacama, os salares bolivianos e chilenos, gêiseres, dentre outros. Obviamente, a quantidade de lugares a ser visitada varia de acordo com o tempo disponível que você tem para o deslocamento. Aproveitaríamos então a viagem e faríamos o tour de 3 dias, de San Pedro a Uyuni, na Bolívia, o que já cobriria um trecho do nosso roteiro e ainda conheceríamos o Salar de Uyuni, maior que o do Atacama, e os altiplanos. Você também pode optar pelo roteiro de volta a San Pedro.

carro salar de uyuni Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Salar de Uyuni

Uyuni – Villazón (BOL) – La Quiaca – Salta (ARG): De Uyuni pegaríamos um trem e desceríamos até Villazón, uma cidadezinha minúscula na fronteira com a Argentina. De lá ultrapassaríamos a pé a fronteira (que, segundo os relatos, era tranqüilo) e de lá pegaríamos um ônibus e viajaríamos à noite para Salta.

Salta – Buenos Aires (ARG): Dois diazinhos para curtir Salta, que pelo que eu sabia era uma cidade fofa, com muitas vinícolas de ar mais bucólico que as existentes no eixo Mendoza – Santiago). E de lá, aviãozinho Aerolíneas para Buenos Aires.

Buenos Aires (ARG) – Rio (BRA): Mais dois dias para bater perna por Buenos Aires e depois de tanto deserto, nos rendermos às delícias da civilização, dos colchões de mola, dos chuveiros aquecidos e das compras, antes de, enfim, voltar para casa.

No mapa, segue um traçado em azul, feito igual à minha cara, pelo menos dos trechos de Santa Cruz até Buenos Aires, para ilustrar:

Roteiro pelo Mapa Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Se vocês quiserem ver com mais detalhes, inclusive com as observações, basta ver o link do mapa aqui!

Bom, esse era o roteiro inicial. Era…

Rochane, minha amiga fofa, guerreira e companheira de viagem, aprovou o roteiro. Acho que ela confiou em mim… Mal sabia ela a enrascada que ela tava se metendo. Eu realmente devo ter uma cara de pessoa muito responsável!

A verdade é que nós não tínhamos nenhum hotel já reservado, nem mesmo as passagens de ônibus compradas. Eu tinha a teoria, comprovada através das opiniões dos outros, de que o roteiro era viável e que, uma vez chegando nos balcões das rodoviárias, conseguiríamos desenrolar o transporte. Eu tinha, sim, uma lista das principais empresas de viação dos quatro países que íamos visitar para servir de referência, e outra lista com os hostels de cada cidade que iríamos passear (exceto todas as da Bolívia. Aliás, acho que nem o Google conhece a Bolívia.).

No fim das contas, esperávamos que os transportes é que fossem o toque de “aventura” da viagem. A hospedagem seria algo mais certo, para evitar a falta de vagas, mas definiríamos aos poucos. Por exemplo, uma vez chegando numa cidade, já iríamos a uma lan house para reservar a estadia na cidade seguinte. Isso nos dava liberdade de optar, por exemplo, se quiséssemos ficar um dia a mais ou a menos em um lugar. E a verdade é que isto nos salvou em mais de um imprevisto.

Dito isto, arrumamos nossas malas e fomos, lépidas e contentes, para o aeroporto.

Importante: cheque se você tem a vacina da febre amarela em dia. Ela deve der sido tomada 10 dias antes da viagem, e tem validade de 10 anos. É preciso comparecer ao aeroporto munido daquela cartela de vacinação amarelinha, emitida pela Anvisa e que pode ser obtida em qualquer aeroporto internacional. Se não, dependendo do país (no nosso caso, a Bolívia) nem consegue-se sair do país.

certificado vacina febre amarela Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

E sim, isso acontece. Aconteceu conosco. Veja aqui.

 Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Clarissa Donda

Jornalista e profissional de Marketing em horário comercial, e aficcionada por viagens, esportes radicais e natureza nas horas vagas. Sou apaixonada por fotos de caminhos, dias de sol, lugares exóticos e pessoas idem. Fotógrafa amadora. Mochileira convicta. Esportista Sofrível. Leitora voraz. Humilde assalariada. Cosmeticamente ativa. E feliz - geralmente tudo isso ao mesmo tempo.

More Posts - Website

Follow Me:
twitter Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…facebook Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

1 Comment

  • Conta mais!Aproveito pra dizer que mandei mais dois selinhos pra vc!bjsAmandahttp://amandaericardo2010.blogspot.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>