[show_AdSense float=”left” ad_client=”pub-9501066899733075″ ad_slot=”6562283172″ ad_width=”250″ ad_height=”250″ ]

Após confessar minha predileção por caminhos e mochilões por aí, no “Quem somos” deste blog, fiquei de bobeira viajando nas fotos que tinha postado para vocês, lembrando dos lugares de onde as tirei. Barkleys Aí resolvi começar este post com o primeiro relato de uma viagem de mochilão muito especial, que definiria muito do meu modo de viajar daqui em diante.

Sim, porque de todas, foi a viagem mais perrengue que tive. E intensa, e bonita. Ela foi um aprendizado que definiu a minha paixão por viagens de aventura…

E, sobretudo, foi a viagem que responde pelo meu primeiro post no blog, criado num período um tanto quanto delicado (para saber mais, sobre como tudo começou, clique aqui).

Tendeu? Então vamos lá!

 Leia também: Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Quanto tempo um Mochilão pela América do Sul?

Foram 21 dias por quatro países (Argentina, Bolívia, Chile e Peru) com alguns (poucos) dólares no bolso, uma mochila nas costas e uma amiga ao lado. O roteiro incluía alguns pontos-chave (Machu Pichu e San Pedro de Atacama) ao lado de cidadezinhas menores, como Arica no Chile e Cafayate na Argentina, mas que valeram muita a pena conhecer, especialmente porque não as visitaríamos se estivesses presas aos roteiros tradicionais.

A idéia era fazer a viagem mais barata possível, muito ônibus e pouco avião, mas sem nunca descuidar de um razoável conforto e segurança. Ou seja, ficar em albergues, sim, mas só nos melhores que a cidade disponibilizava (alguns deles eram melhores wholesale mlb jerseys que hotéis, inclusive), e sempre com quarto e banheiro privativo (quando tinha, devo dizer). Claro que isso não nos impediu de passar alguns séééérios perrengues, que serão descritos detalhadamente mais à frente, mas todos estes não foram por uma falta de cuidado nossa, e sim porque era inerente ao roteiro e à aventura que o lugar pedia. Ou seja, querer visitar o deserto da Bolívia no luxo de cinco estrelas é algo que não se consegue fácil, mesmo podendo pagar por isso.

Mas, como podem ver, certos perrengues podem valer a pena…

Então, como tudo vale a pena se a alma não é pequena, fomos!

O roteiro fui eu mesma que pesquisei, com base nos relatos das listas de discussão no site Mochileiros.com (aliás, ótimo para quem quiser dicas de qualquer coisa, mesmo que siga um roteiro montado). É só procurar a lista de discussão do lugar do seu destino e pesquisar dicas de pessoas que foram para lá, e que sempre indicam achados (e roubadas) que a gente não descobre nos roteiros comuns. Acreditem, a dica é válida.

Claro que nem todas as informações tinha lá, tipo como ir de um lugar ao outro, mas como diz o ditado, se tem coisas que nem o Google sabe, então ou não existe mesmo, ou é melhor checar ao vivo. Então, nossa viagem foi assim, agradando gregos precavidos e troianos incautos: um pouco organizada, e um pouco aventura, no esquema “chegando lá a gente resolve”.

Vou descrevendo o roteiro da viagem aos poucos, mas como boa jornalista preciso fazer, logo no início, o serviço da minha matéria. Ou seja, as dicas e informações que podem ajudar na hora de montar um roteiro parecido.

Coisas importantes de se observar:

Companhia: Importantíssimo. Tive a sorte de fazer minhas viagens sempre ao lado de amigas maravilhosas e divertidas. Mas conviver junto, em lugares diferentes, pode ser uma festa no início, mas muda bastante de figura na hora do perrengue. É bem verdade que nos meus dois mochilões a companhia em questão não era minha amiga na época (virou durante a viagem), mas tudo começou na base do convite “vai sair de férias também? Vamos viajar, então?”. Dei (muita) sorte nas primeiras vezes, mas sabe como é. Gente mala não tem cara, e consegue fazer o melhor dos passeios ser um fiasco.

brincadeirinha salar de uyuni

Vacina da Febre Amarela: Para viajar para o Chile, Peru e Bolívia tem que ter o certificado de que você tomou a vacina amarela (e tem que ser um certificado amarelinho, traduzido e carimbado cheap mlb jerseys oficial), e só é possível embarcar para esses lugares se a data da vacinação for anterior no mínimo dez dias antes do dia do vôo. Eu não tinha acreditado no início, afinal tudo na vida dá-se um jeito, e acabei passando um Nfl belo sufoco por isso.
Em tempo: Eu viajei em março de 2008, quando gripe suína era problema só de porco e não de gente, de modo que eu não sei a quantas anda a questão de saúde para viajar para esses lugares. Mas ter a vacina da gripe suína e evitar as épocas de surto ajudam.

Dinheiro: Levei dólar, e nem levei muito não. Na época levei 500 dólares na verdade, para os 21 dias, mais para andar, comer  e pequenas compras, e deixei o cartão para pagar as hospedagens e passagens Gain de avião. Deu tranquilamente para 20 dias. Mas só é importante lembrar que muitos lugares não aceitam cartão, então é bom andar com uma reserva “in cash”. E vale nfl avisar que,  como 7" malandro não tem só no Brasil e “nuestros hermanos” sempre nos olham com cara de que temos muito dinheiro, o ideal é ir trocando aos poucos e guardando os dólares restantes em um lugar seguro (eu levava no tênis. Dizem que é manjado, mas funcionou comigo). Já a moeda local é bom ter alguns trocados à mão, porque especialmente na Bolívia e no Peru para tudo eles pedem gorjeta. Espirrou, “paga propina”.

Idioma: Não falo espanhol, mas sou mega fluente no portunhol. E se você é brasileiro, um pouco de simpatia resolve qualquer problema de comunicação.

Pele és mucho mejor

Passaporte: Os quatro países aceitam sem problemas se você for entrar com carteira de identidade. Mas, honestamente, eu não wholesale jerseys dispensaria o passaporte, se pudesse. São quatro carimbinhos a mais no seu currículo de viajante. Relíquias de viagem priceless!
Outra coisa é que, se levar seu passaporte para entrar na reserva de Macchu Pichu, ganha um carimbo fofo!

Bagagem

 Roupas: Regra de mochileiro, quanto menos volume e peso, melhor. Mas é importante não passar necessidade. Íamos em março, época de chuvas no Peru, mas não de muito frio. San Pedro de Atacama era deserto, logo, seco. Buenos Aires teria uma tempetaura agradável, mas chuva leve. O desafio era o deserto da Bolívia, que faz um calor insuportável de dia e uns 4 graus à noite. Solução: muitas blusinhas leves e agradáveis, 2 calças jeans, 1 bailarina (seca rápido e não ocupa volume), dois tênis (para andar muito), um casaco leve, uma echarpe e um mega casacão. No frio intenso, o casacão segurava. No calor, blusinhas para que te quero.

Geralmente não levo sandália alta. Levei uma vez, e só serviu para a minha sandália contar para as outras amigas sandálias dela que ficaram no armário que ela foi passear. Peso e espaço sem utilidade. Prefiro uma rasteira fofa.

E, não sei vocês, mas o que eu economizei na roupa, mando ver na nécessaire. Todos os cremes necessários cheap jerseys para cabelo, rosto, olhos, corpo, mão, etc.

Morro de sede no deserto, mas morro com a pele hidratada igual bundinha de neném.

[alert style=”3″]

Se você gostou desse post, vai gostar também de:

Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Mochilão pela América do Sul: precisa vacina contra a febre amarela?

Mochilão América do Sul: Primeira parada em Buenos Aires, Argentina

Salta, Argentina: conhecendo a cidade

Arredores de Salta, na Argentina: Conhecendo Cafayate, uma ode às mil belezas das pedras

Dicas importantes sobre ônibus na Argentina…

Um vislumbre da Bolívia: viajando de ônibus até a fronteira

Atravessando a Fronteira entre Bolívia e Argentina

Llegamos!

Trem da Alegria – Uyuni

O que você precisa saber antes de ir para Uyuni

Chegando em Uyuni – Check-in e Reserva do passeio

Sobre os banheiros bolivianos…

Uyuni – La ciudad!

[/alert]

Comments

4 COMENTÁRIOS

  1. Parabéns pelos seus post’s Clarissa. Além de ricos em informações, por vezes são divertidos e seus comentários engraçadíssimos.
    Também andei viajando bastante por aí, e estou relatando em um Blog quando tenho tempo.
    Parabéns.

  2. Olá, Clarissa!
    Estou planejando um mochilão pela América do Sul e gostei muito do teu roteiro. Não sei se tu deu essa informação em outro post, mas quanto tu gastou mais ou menos na viagem toda?

    • Tainah, acho que essa informação não é muito válida porque fui em 2008 e muita coisa mudou de lá para cá. Além disso, as pessoas mudam, em estilos diferentes de hospedagem, compras, etc. Mas só para fins de ilustração, na época, em 2008, eu gastei 2500 reais, com passagens aéreas(dois trechos, apenas), hospedagem (só albergues baratinhos), transporte (muito ônibus), comida (baratinho tb) e algumas atrações (passeios em Cusco, visita a Machu Picchu e tour de 3 dias de 4×4 nos altiplanos bolivianos).
      Mas hoje eu já ouvi dizer que as coisas tão bem mais diferentes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.