Caso verídico: cheap mlb jerseys leia com atenção. Isso é o que acontece com quem deixa para tirar na última hora cheap nba jerseys a vacina contra a febre amarela.

Então…

Chegamos no balcão da Gol para embarcar para Santa Cruz e, 40 minutos antes do avião sair, a equipe da Gol vetou nosso embarque porque, para viajar, precisaríamos ter tomado a vacina contra a febre amarela no mínimo dez dias antes do embarque, e no nosso certificado de vacinação contra a Febre Amarela (esse aí embaixo), constava apenas 8 dias!

E não adiantou chorar nem descabelar, porque eles foram irredutíveis. Alegaram que era nossa segurança, que a equipe da Bolívia ia pedir o certificado e iam mandar a gente 卵のアレルギーについて de volta, etc, etc.

Perdemos o vôo. E sabe aquele roteiro fofo e bonitinho que eu fiz? Explicado com todo o carinho? Esquece.

E sabe o hostel que eu reservei para nossa chegada em La Paz? Esquece.

Nós, naquele átimo de segundo em que eu e Rochane nos entreolhamos com a pergunta “E agora, o off que a gente faz?” estampada na testa e ao ponto de matar a tiazinha da Gol, Etchings nos veio aquela iluminação divina, que diz que a ordem dos fatores não altera o produto, que tudo o que vai tem que voltar e que, se um roteiro é feito no sentido Santa Cruz – Buenos Aires, o inverso também deve ser possível de fazer. E com base nisso (ou seja, em nada!), eu e Rochane transformamos nossa passagem de ida para a Bolívia em volta e saímos correndo desesperadamente pelo aeroporto perguntando em todos os balcões quanto era uma passagem de ida para Buenos Aires.

Então assim, sem mais nem menos, um roteiro que levou uma semana para ser feito mudou do avesso, literalmente, em 30 segundos.

No fim das contas, acho que essa inversão teve mais seus prós que contras – por exemplo, pefgar o deserto de Uyuni antes de ir a Machu Picchu fez toda a diferença na hora da gente se acostumar com a altitude e não passar mal lá no santuário inca. Mas foi o suficiente para imprimir o início da nossa viagem um pouco da sensação de aventura que viríamos a sentir várias vezes depois.

Mas conseguimos uma passagem para Buenos Aires por um bom preço, mesmo comprando na hora, pela Varig (saudades!) no mesmo dia. E ainda economizamos um WIEPRZOWA dinheiro na troca da passagem da Gol, porque a volta de Santa Cruz era mais barata que a ida (Aparentemente, sabe lá Deus porque, tem mais gente querendo entrar na Bolívia que sair).

Minha tensão era: como foi em cima da hora, não tinha nenhum América albergue reservado para a gente. Nada. E se desse problema na hora da imigração? E se o carinha perguntasse onde a gente ficaria hospedada? cheap nba jerseys E se, pelo fato de eu não poder comprovar a reserva, ele me mandasse de volta? Ai, Jisuis!

Escolhemos um albergue qualquer lá da lista que eu tinha levado, viajamos, e entramos tensas na fila da imigração.

E essa é uma das vantagens, pelo menos a única, de ser mulher, brasileira, entrando na Argentina: o tiozinho simplesmente pegou meu passaporte, me mandou vários sorrisos do lado de lá do vidro, murmurou “Humm, brasileña”, perguntou se o meu sobrenome era igual o de Jesus (Nazareth, no caso), e no final mandou um “Bienvenida a Buenos Aires” com um sorriso mega safado e uma piscadinha de olho.

Enfim… Entrei na Argentina sem problemas com o albergue e ainda ganhei uma cantada do oficial… Que delícia! #sqn

Mochila nas costas, compras no Duty Free feitas, pegamos um táxi para o albergue selecionado que, infelizmente, estava lotado. Nos indicaram um em San Telmo (um pouco longo, mas já eram 2 da manhã e estávamos legal de aventuras). Albergue encontrado, check in feito, rolou um stress com o taxista (que queria que a gente pagasse bem mais a ele por ter ficado esperando) e fomos finalmente descansar do primeiro dia da nossa viagem do avesso.

PS: Só para fazer um adendo. Em toda a minha viagem, que durou 21 dias, e até depois dela, ninguém, mas ninguém, me pediu o certificado de vacinação contra Febre Amarela, exceto na Gol para o embarque, neste dia. Tudo bem que é parte do trabalho deles mas… que saco!

[alert style=”3″]

Se você gostou desse post, vai gostar também de:

Mochilão pela América do Sul: veja como foi o roteiro…

Mochilão pela América do Sul: precisa vacina contra a febre amarela?

Mochilão América do Sul: Primeira parada em Buenos Aires, Argentina

Salta, Argentina: conhecendo a cidade

Arredores de Salta, na Argentina: Conhecendo Cafayate, uma ode às mil belezas das pedras

Dicas importantes sobre ônibus na Argentina…

Um vislumbre da Bolívia: viajando de ônibus até a fronteira

Atravessando a Fronteira entre Bolívia e Argentina

Llegamos!

Trem da Alegria – Uyuni

O que você precisa saber antes de ir para Uyuni

Chegando em Uyuni – Check-in e Reserva do passeio

Sobre os banheiros bolivianos…

Uyuni – La ciudad!

[/alert]

Comments

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.