Se beber já é gostoso, imagine aprender a fazer um vinho verde.

É que tem certas mágicas que só acontecem quando a gente aprende a preparar algo que a gente gosta. Porque aí a brincadeira ganha mais graça. A gente começa a aprender a matemática da quantidade dos ingredientes e temperos, a relação de causa e efeito em deixar cozinhando um pouco mais  ou menos para adquirir a consistência molinha  ou crocante que a gente quer… É quando se começa, inclusive, a fazer experiências e a jogar uma pitadinha de sal no doce para tornar o sabor mais interessante, ou uma pimentinha discreta só para dar aquele calorzinho que enche de sabor a comida sem a gente entender o porquê. Quem gosta de cozinhar aprende a gostar também do processo, e curte inclusive distorcê-lo e reinventá-lo. Afinal, toda a experiência é válida dentro das quatro paredes de uma cozinha.

Com vinho acontece a mesma coisa.🍷

Aos poucos, a gente meio que começou essa educação “o vinho antes do vinho”, entendendo os tipos de uva, a região de onde vem… e quem já participou de qualquer tour em uma vinícola (independente do país onde ela esteja) já foi introduzido aos conceitos básicos do cultivo das videiras, de como acontece a poda, de como é retirado o bagaço e esmagadas as uvas, a fermentação, o lance das barricas e tudo o mais.

Tudo isso é muito legal. Mas são pouquíssimas as vinícolas que oferecem a experiência de testar e descobrir a combinação e medidas perfeitas que vai resultar na bebida final a ir para a garrafa – especialmente quando é um vinho de corte, ou seja, feito com duas uvas (castas) diferentes. Qual a porcentagem do vinho de cada uva deve ir? Como fazer esse equilíbrio para produzir o “blend” perfeito de corpo, estrutura, aroma?

É como se a gente aprendesse como os ingredientes são cultivados e preparados para ir na panela, mas pulasse a aula de como montar o prato final. O que é curioso, por que é parte tão importante quanto o processo de preparo dos ingredientes. Ou mais: segundo um chef italiano que eu conheci uma vez, todos nós temos um sexto sentido (que não é aquele em que você pensou) que se chama “HUME” e basicamente quer dizer a experiência de alcançar todos os cinco sentidos de uma vez, trazendo uma experiência única. E segundo ele, todo chef que se preza monta um prato com o objetivo de atingir este ponto, e não privilegiar apenas o paladar ou o olfato, por exemplo.

Eu confesso que não tinha me dado conta que “faltava” essa abordagem no meu tour exploratório sobre vinhos – assim como muita gente visita uma vinícola e curte o padrão de tour + degustação sem se dar conta de estar pulando alguns capítulos. Por isso foi uma grata surpresa (e um dos pontos altíssimos da viagem) termos sidos convidadas a fazer o Programa “Enólogo Por um Dia” proposto pelo Monverde Wine Experience Hotel, um hotel-spa todo voltado desenvolvido com esse conceito de vinhos. A proposta do programa é preencher exatamente esta lacuna e ainda nos ajudou a contextualizar e a pôr em prática nossos entendimentos sobre o que é o vinho verde (que eu expliquei depois nesse infográfico).

Links para organizar sua viagem para a Rota do Vinho Verde:

Hotel: Reserve sua hospedagem sem taxas no Monverde Wine Experience pelo Booking.com

Atração: Faça a reserva para o programa “Seja Enólogo por um dia” mandando um email para reservas@monverde.pt

Aluguel de Carro: Parcele o aluguel do seu carro (em reais) pela RentCars direto do aeroporto de Porto

Seguro de Carro: Ganhe 15% de desconto no seu seguro de viagem pela Mondial

“Enólogo por Um Dia”: o que é e como funciona

 

O programa “Enólogo por um Dia” foi montado pelo Monverde Wine Experience Hotel como uma de suas atividades à parte sobre conhecimento de vinhos. Ou seja, pode ser agendada por hóspede e por não-hóspedes também.

Para quem não sabe, o Monverde Wine Experience Hotel é um hotelão-spa que fica na cidade de Amarante, no Norte de Portugal (e dentro da região demarcada do Vinho Verde). O hotel foi construído dentro da área de cultivo da Quinta da Lixa, grande produtora de vinhos verdes, e é todo trabalhado nesse conceito de vinhos. Vou deixar para falar dele num próximo post.

Dá para ir do Porto até lá (embora não recomendo fazer isso num bate e volta – Amarante é uma fofura de cidade e super vale a pena conhecê-la com calma).

O programa tem a duração de duas horas e meia, e precisa ser agendado com antecedência (para checar a disponibilidade). Ele costuma ser feito por casais ou por grupos pequenos, e como é uma experiência bem intimista fica melhor aproveitado assim. O agendamento pode ser feito por aqui.

Eu diria que vale cada centavo da experiência, especialmente porque a gente já começa a se apaixonar pelo lugar assim que chega. O programa é oferecido num complexo próprio para essa atividade, construído na mesma propriedade do Monverde Hotel mas em uma área separada dos quartos e do complexo principal (você chega lá de carro ou naqueles carrinhos de golfe!). Mas o plus é que a estrutura é toda cercada de lindíssimas videiras.

 

Como fazer um vinho verde: bora fazê-los para entendê-los?

Quem foi a facilitadora do nosso programa foi a Bebiana Monteiro, diretora de comunicação do hotel. Ela é quem costuma conduzir o programa para hóspedes que façam a reserva – e posso dizer que foi uma experiência bacana, pois em todo o momento ela conduz e explica muito bem todos os aspectos das uvas e da produção dos vinhos.

O programa é feito numa sala onde ficam as barricas de carvalho onde parte dos vinhos são envelhecidos, e onde há uma enorme mesa que serve de base para os nossos experimentos.

E a proposta é a melhor possível: vamos entender como se faz um vinho verde fazendo o nosso próprio vinho verde! 😃

E é nesse momento que os mais entendidos de vinho podem achar o programa meio “vendido para turistas”, mas eu realmente achei a proposta interessante porque é educativa. Mesmo que o vinho que a gente produza não seja uma lote milionário, o processo feito ajuda a contextualizar as informações sobre os diferentes tipos de uva e característica dos vinhos verdes – e acho que fechar a viagem da Rota do Vinho Verde com essa atividade (depois de ter visto os processos in loco em Melgaço, Monção, Ponte de Lima e na própria região de Amarante) é contextualizar e organizar tudo com chave de ouro.

1º Passo: conhecer (e provar) os vinhos de cada uma das uvas

5 galões de vinhos exibem as principais uvas portuguesas cultivadas na região demarcada do Minho: Alvarinho, Loureiro, Avesso, Trajadura e Arinto. Em cada uma, a Bebiana nos explicava as características principais da uva. e a grande vantagem daqui era que a gente podia experimentar um tiquinho de cada, o que tornava muito mais fácil a comparação.

Ou seja: sabe aquelas palavras como “olha como esse vinho tem estrutura”, “sente esse aroma frutado”? Pois é, para quem não tem facilidade para captar essas coisas (eu não tive durante muito tempo), essas provas explicadas são ótimas para perceber e educar os sentidos. 

2º Passo: Começamos a fazer nossas misturas.

Informações recebidas, é hora de começar a alquimia! 😃

Para isso, temos a ajuda de um tubo de ensaio com gradação de medidas e três taças. A idéia é que a gente possa combinar proporções de monovarietais (vinhos de uma uva só) para fazer um vinho de corte (vinho que possui porcentagens de mais de uma uva diferente) e com isso, chegar “à nossa criação única”.

Aqui é a parte gostosa, que funciona mesmo como se estivéssemos testando temperos para criar uma receita. Por exemplo, se eu aprendi que a uva Loureiro é a mais aromática e perfumada das uvas (porém mais leve), e a uva Avesso é a que tem mais corpo e estrutura (porém menos perfume), eu posso tentar descobrir qual é a proporção que eu quero de cada uma para fazer um vinho mais equilibrado.

E por isso que se começa com o tubo de ensaio: saber a porcentagem que usamos de cada um ajuda na hora de repetir a proporção para uma garrafa mais adiante.

Eu tentei brincar com essa proporção de Loureiro e Avesso, por exemplo. Cada um dos participantes tem três taças à mesa para fazer as experiências e ir ajustando as proporções – colocando só um pouquinho de vinho para fazer os testes, hein?

Experimenta daqui, sente o aroma dali, e já perdemos um tempo gostoso nessa brincadeira. Muito bom!

Mas, enfim, chegamos à proporção desejada. Daí começa uma segunda etapa – essa, hã, um pouquinho menos interessante. 😜

3º passo: a hora da matemática

Yeap, matemática. Com papel, lápis, regra de três e tudo.

Basicamente é o seguinte: agora que a gente chegou à medida ideal do corte do nosso vinho, precisamos reproduzir essa quantidade para uma garrafa – ou para um lote de garrafas, como é o caso das grandes produtoras de vinhos.

E no nosso programa, isso é feito no papel, com a boa e velha regrinha de três: de um lado a gente coloca as proporções que usamos para fazer o nosso vinho (para uma taça) e calculamos quais seriam as proporções para uma garrafa de 750ml.

Eu confesso que fazer contas depois de algumas taças de vinhos é uma atividade bastante, hã, interessante! 😛

Feitas as contas, a gente volta para os tubos de ensaio, e vamos enchê-los com as proporções escolhidas para pôr na garrafa.

(Por favor, não reparem no meu olhar de louca na foto: eu estava virada de uma noite sem dormir e uma manhã inteira dirigindo na chuva. Ou seja, estava exausta e tentando manter os olhos arregaladíssimos para combater o sono e chegar até o fim da atividade!).

Uma vez que enchemos a garrafa com o nosso vinho, é preciso preparar a rolha, o rótulo, o lacre – que é outra atividade bem gostosa! 😊

4º Passo: fazer o rótulo

E vamos fazer nosso rótulo! No caso das grandes produtoras, os rótulos são feitos na gráfica, com aqueles designs que conhecemos. Mas como a proposta do Enólogo por um dia é fazer o vinho todo 100% através das nossas mãos, o rótulo é feito em aquarela mesmo. Hora de pôr os dotes artísticos para jogo! 🙂

E eu, que tenho ZERO habilidades artísticas, fiz essa coisa esquisita aí embaixo para o rótulo do meu vinho “D – Dondeando”, 1º lote, safra 2016.

5º Passo: Colocar a rolha… e pronto!!! 🙂

E agora é hora de fechar a garrafa. Na mesma salinha onde fazemos o vinho há uma máquina antiga que usamos para colocar a rolha na garrafa, da forma mais low-tech possível – puxando uma alavanca!

E só! Foram duas horas e meia que passaram voando deliciosamente. Eu super recomendo – não só pela atividade em si, mas pelo fato de “fechar com chave de ouro” todo o contexto dos vinhos verdes que vínhamos tendo em nossas visitas às quintas. 😊

Dali, voltamos à sede principal do hotel, às dependências com piscina, spa e todos os mimos que o Monverde oferece.

No jantar oferecido pelo hotel, é possível informar com antecedência se queremos escolher os vinhos da casa ou se vamos usar os nossos – uma sugestão da própria Bebiana, que nos informa que podemos levar nosso vinho para ser aberto no jantar. Basta que informemos à cozinha com antecedência, para que os pratos sejam montados para harmonizar com as uvas da “nossa criação”.

Mas ela mesmo confessa: a maioria das pessoas prefere levar seu vinho para casa, dá “dó” de abrir assim! Fizemos o mesmo – preferimos trazer nossos vinhos para casa e experimentar os outros oferecidos na Quinta da Lixa! 🙂

Considerações finais

O Monverde Wine Experience é relativamente novo no cenário hoteleiro/vinícola de Portugal, e vale um pernoite pelo menos, pelo conceito de hotel-experiência. As instalações são imponentes e merecem um post-review só para elas (que está vindo em breve). Mas também dá para reservar o Enólogo por um Dia mesmo sem ser hóspede do Monverde – para isso, basta mandar um email para reservas@monverde.pt.

O programa é feito todos os dias de terça à sábado mediante reserva (que tem que ser feita com um mínimo de 24 horas de antecedência). Os valores são acordados conforme o número de pessoas que participam da experiência.

Importante: na época da vindima (nos meses de setembro e início de outubro) crianças podem participar também. Elas não bebem o vinho (obviamente) mas nas mesmas dependências onde acontece o Enólogo por um Dia está uma tina de pedra para a pisa das uvas, que os pequenos podem participar!

Esta viagem faz parte de um projeto chamado “Descobrimento às Avessas” que eu criei em conjunto com a blogger portuguesa Sara Riobom, do blog Portoalities. Nossa visita ao Monverde Wine Experience e a participação do Enólogo por um Dia foi fruto de uma parceria com o hotel, mas deixo claro que todas as opiniões e preferências aqui foram fruto de opiniões genuínas da autora.

Comments

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui