Para os interessados, um aviso: é preciso acordar com as galinhas. Tipo, umas 5 horas da matina já é preciso estar lindamente acordado na recepção do hotel, entrando na van que já está te esperando.

Mas se serve de consolo, é mais ou menos esta a primeira imagem que se tem ao fazer o passeio…

Ao que me informaram, este é o segundo voo de balão mais famoso do mundo – perdendo para a experiência bacaníssima que é sobrevoar a Capadócia, na Turquia, coisa que nós ainda não fizemos, mas que é descrita com todas as cores e sabores pela Lu Tesch do Blog Perrengueiros  aqui, pelo Diego do Meus Roteiros de Viagem e pela Monique do Diário Radical, aqui. Para quem tem vontade de voar por lá, todos são leitura obrigatória!

[show_AdSense float=”left” ad_client=”pub-9501066899733075″ ad_slot=”6562283172″ ad_width=”250″ ad_height=”250″ ]

No Egito o passeio é organizado na cidade de Luxor (a antiga Tebas, capital do Egito Antigo), e custa módicos 100 dólares americanos por pessoa (diferentemente das outras atrações do país, esta é cobrada em dólares americanos e não em libras egípcias. Portanto, esteja certo de estar levando o dinheiro na mão). A saída pode ser organizada em dois horários, manhã e tarde. Mas esqueça a segunda opção, por mais amante de acordar tarde que você seja: de manhã é o que há!

E, se só esse argumento ou a imagem do nascer do sol não foram o suficiente para te convencer, imagine-se pegando aquele milenarmente famoso sol egípcio inclemente, no intensivão que acontece às duas da tarde, e curtí-lo bem pertinho do ‘calorzinho” do fogo que mantém o balão voando… Mentalizou?

O passeio geralmente é fechado pelos próprios guias da sua excursão, ou pode ser agendado no dia anterior na recepção do próprio hotel – pagando-se na hora, claro.

E de manhã cedinho, antes do sol subir, você já está no campo de “decolagem” dos balões, que começam a ser enchidos lentamente.

 

E, aos poucos, o cinza amarronzado da paisagem vai ganhando vários pontos de cores aqui e ali. E a gente vai ficando empolgada, como crianças que presenciam os balões sendo enchidos antes da festa.

Festa, aliás, que acontece lá em cima, e tem direito a música! No momento da subida, aparecem vários egípcios (muitos dos funcionários que ajudam a encher o balão), que se aproximam cantando e tocando enquanto o balão sobe.

Achei bem legal na hora – uma vez que os egípcios são um povo bastante musical – mas depois comecei a pensar cá com meus botões que era uma forma de distrair a gente do nosso nervosismo. Porque na prática, a subida é meio tensa , porque a gente começa a subir na cestinha (que é, falando a grosso modo, uma cestinha de vime para aguentar 14 pessoas. Só) quando o balão ainda está sendo enchido. E como toda decolagem, é quando rola aquele friozinho básico na barriga.

Que passa, rapidinho. Em especial quando você começa a ver como o mundo é mais bonito lá de cima.

O balão vai sobrevoando o Vale dos Reis, onde os antigos faraós eram enterrados, bem como as principais ruínas dos tempos antigos que sobreviveram ao redor da cidade de Luxor (que, como era a capital do Egito Antigo, é ainda hoje uma das partes mais ricas do país em tesouros arqueológicos).

Só que, mesmo para os olhos cansados de quem não aguenta mais ver ruína e pedra, tudo aqui ganha uma cor mais bonita. Cor de sol nascendo e dia começando com a gente mais perto do céu.

A vista do nascer do sol lá de cima já é bem bonita, mas o bacana mesmo é quando todos os balões sobem juntos: o colorido dos balões contrasta com o marrom e azul da paisagem, dando oportunidade para fotos bem bonitas.

Não posso dizer se é regra geral ou se foi devido à questões meteorológicas do dia, mas havia uma certa névoa que cobria o horizonte nessa hora da manhã (já eram aproximadamente umas 6 horas). Nada que impedisse as fotos de ficarem bonitas, nem de ver as ruínas e casas lá em baixo. Não foi possível tirar fotos com aquela nitidez de céu limpo – mas quem disse que isso é problema?

 O passeio dura em torno de uma hora (inesquecível, é verdade, mas que passa literalmente voando quando se está lá em cima). E o início da descida e da aterrisagem – não querendo assustar – é exatamente o momento em que começa a rolar  uma certa tensão de novo…

Porque o vento vai levando o balão sabe-se lá para que canto, e só o que se vê é campos de milho, de trigo, ruínas, pedras e desertos. Bate um medinho de cair num meio de um nada daqueles – e vale dizer que, embora os guias nunca avisem isso antes do passeio – às vezes  isso acontece.

E o que fazer, agora que a gente ficou sabendo disso? Não voar mais? Acho que o risco está implícito em qualquer atividade de voo (ou em qualquer atividade da vida, para dizer a verdade!) mas a experiência é válida e muito, mesmo assim. E se o medinho bater mesmo assim, dá uma lida na mini-anedota (porém totalmente verídica) aqui, sobre os perigos do deserto egípcio – e relaxe, porque se aconteceu foi porque Alá quis. 😛

 O mesmo pessoal em terra que ajudou a encher os balões fica acompanhando a trajetória de cada um deles, e já está lá embaixo te esperando para te buscar (porque, dependendo do vento, nem sempre dá para escolher onde  o mesmo vai pousar). Nós pousamos na beiradinha de um campo enorme de milho – mais um pouquinho para o lado e pronto, era pedir para cair no matagal.

Importante comparativo: pelo que vi dos posts do pessoal que voou na Capadócia, a aterrisagem lá tem toda uma segurança, o pessoal é super preparado e os participantes ganham até certificado do voo.

No Egito isso nao acontece não. É só o voo, subir, tirar foto, descer, e pronto. “Uhu”, que legal. Agora acabou, pronto, beijo, me liga.

Como não fui nos dois, fica difícil fazer o comparativo – mas assim, a grosso modo, me parece que o passeio lá no Egito meio desorganizado, embora seguro – ou pelo menos, com o mínimo de segurança e riscos que um passeio nos ares tem.

E o que fazer? Ir? Ou não?

A verdade é que um voo tem os seus riscos, e como tudo na vida é bom estar ciente dos riscos antes de assumí-los. Mas a experiência vale a pena ser feita sim – e olhe: assistir o nascer do sol do Egito já é um espetáculo sem palavras, como muitas vezes falamos neste blog. Assistir de camarote, então… não tem preço.

[box type=”note” style=”rounded”]Uma rápida atualização:

Conforme informado pela Nathalia, uma de nossas leitoras que aqui deixou um comentário muito útil, houve algumas mudanças no passeio dignas de nota! A primeira é que todos os participantes agora recebem certificado do voo (como acontecem nos voos de balão na Capadócia). A música tocada agora é ao final, na entrega dos certificados, e não na subida, como foi comigo. E, por fim, tanto a subida quanto a descida estão acontecendo com bastante tranquilidade e destreza por parte da equipe que realiza o voo.

Três excelentes motivos, enfim, para você fazer as malas já e experimentar a visita sem medo de ser feliz…

Tô até pensando em voltar para averiguar isso de pertinho! 😉 [/box]

E, veja bem… Não tem nada com mais cara de viagem e viajante do que um passeio de balão. Não por acaso, o clássico de Júlio Verne, “Volta ao Mundo em 80 dias” teve como ilustração de capa, por décadas, um balão.

Tudo bem se o personagem principal, Phileas Fogg, nunca tocou em um em toda a obra – mas veja bem, ele tinha um prazo ousado a cumprir, e voar de balão mundo afora em menos de 3 meses não deve ser algo logisticamente factível, nem mesmo para a criatividade do “seu” Júlio.

Mas se você estiver pelo Egito de bobeira, quiser fazer um passeio inesquecível e não estiver com metas tão ousadas assim, taí uma excelente pedida… 😉

Comments

24 COMENTÁRIOS

  1. Doidinha! Muito doidinha ela! E corajosa!!
    Pode ser muito bonito mesmo, as fotos são fantásticas, mas entrar num balão voando ao sabor do Sr. Murphy?? De jeito nenhum. Voando com dois motores CFM56-2 e duas asas de quase 18 metros eu já fico alerta, imagine num balão….rssss
    Agora, o que a Dondeando foi fazer em um país com uma grave guerra civil????????
    Tiro o chapéu!!
    Beijo no coração das moças e abraço fraterno nos moços.

    • Dan, eu visitei o Egito exatamente duas semanas antes da revolução – então, tive sorte! 🙂
      Mas ao que parece, as coisas estão bem mais tranquilas por lá, e o povo está mesmo precisando que o turismo retorne como era antes ao país, que vive e depende disso para sua economia.

      Quanto aos riscos? Bom, acho que para isso vale o que o nosso guia egípcio responder uma vez, quando perguntamos o que faríamos se algum acidente acontecesse conosco: ele respondia “Maktub”, que quer dizer “estava escrito”… Hahaahaha Bom, eu sei que isso não é muito tranquilizador, mas a verdade é que, quando as coisas tem que acontecer, elas acontecem, né? O importante é a gente não deixar isso nos paralisar das boas experiências da vida!

  2. Demais Clarissa! Adorei a experiência ! Pelas fotos e descrição com certeza vale à pena! Achei bem legal a parte da música, porque isso na Capadócia não tinha não,hehe!
    Confesso que nunca tinha pensado em fazer um vôo de balão lá no Egito mas achei uma boa dica de passeio para quando estiver por aqueles lados 😉

    Beijoos

  3. Clarissa, que experiência incrível!!!!
    Tenho muita vontade de conhecer o Egito, mas ainda tennho alguns planos no caminho… mas eu ainda chego lá e com certeza vou querer fazer um passeio como esse!! Deve ser realmente emocionante!! Parabéns pela viagem!!

  4. Clarissa,

    Planejo ir ao Egito em junho ou setembro de 2013 e, quando vi o seu post sobre ver o Egito do alto, me fez querer estar lá neste exato momento.

    Notei, nas fotos, que há muita gente bem agasalhada. É tão frio assim durante o amanhecer? Sempre associei o Egito a um calor escaldante. Rs rs rs rs…

    Se puder repassar algumas dicas de como se comportar por lá, o que evitar e o que não deixar de fazer, agradecerei bastante!

    Obrigado por dividir conosco essa informação valiosíssima!

  5. Suas informações são dignas dos tesouros faraônicos!
    Rs rs rs rs…

    A dica da agência de turismo me trouxe muita segurança e irei fechar um pacote com ela. Obrigado!

    MAS, ainda tenho uma (por enquanto) pergunta a fazer. Com relação ao visto, é realmente seguro adquiri-lo na “boca do caixa”? Quanto tempo leva esse procedimento?

    Outras perguntas virão (rs rs rs rs…)
    Espero que não se importe de dar uma mãozinha a esse “mochileiro” de primeira viagem para fora do país e que há anos sonha em conhecer o Egito.

    Abraços e boa semana!

    • Oi, Fábio! Que bom que gostou! 🙂

      A agência é ótima, e gostamos muito do serviço deles. Mas antes de fechar, de uma olhada nos documentos importantes referentes ao pacote (que podem ser baixados no próprio site e na página do pacote escolhido). Ali eles indicam o que está incluido (muitas refeições são a parte) e dão uma idéia de custo das entradas nos principais templos e museus (já que a excursão te leva até lá, mas a entrada é a parte. Mesmo assim, vale a pena).

      Quanto ao visto, você pode adquiri-lo num consulado, mas assim que você desembarca no Egito, a primeira coisa que você vê (antes mesmo de ser a imigração ou as malas) é o guichê de compra do visto. Paga-se na hora, em dólares (tem que ser em cash). Na verdade, o tempo que o procedimento demora vai depender do tamanho da fila! 😉

      É bem tranquilo mesmo! Não tivemos problema nenhum e muita gente tava na mesma fila comprando com a gente!

      Fique tranquilo e pode mandar suas perguntas! Mas dá uma olhada nos links que eu te passei: quase tudo o que vi e passei pelo Egito tá lá, mastigadinho… Mas estamos às ordens para demais perguntas! 🙂

  6. Passeio de arrepiar, uma verdadeira aventura, parabenizo você pela dedicação e coragem, jamais teria coragem para isso, sou uma pessoa super medrosa…rsrs…quem sabe um dia!! Todos os lugares visitados são maravilhosos, mas o amanhecer ou por do sol, PERFEITO. ABRAÇO!!

  7. Clarissa, seu post está ótimo mas está na hora de atualizá-lo para que outros aventureiros não acabem se privando do passeio devido às informações incorretas!

    Fiz o voo de balão em Luxor há menos de 2 semanas (12/09), e tanto a partida como a aterrisagem são totalmente seguras e tranquilas! Eles até brincam se você quer um pouso americano,britânico ou egípcio (os dois primeiros cheios de risco e impactos fortes no chão, e o último (claro!) suave e tranquilo). E de fato, a subida é quase imperceptível, a descida nem tanto, até porque estamos na expectativa, mas igualmente tranquila.

    O pessoal está super preparado e os participantes ganham sim certificado de voo ao final do passeio.

    Eles inverteram a ordem da apresentação musical também: ela inicia ao final quando o “capitão” começa a entrega dos certificados.

    É importante salientar isso porque com todas as questões de ordem política e religiosa que vem ocorrendo no país, muitos turistas estão deixando de ir, ou adiando a ida ao Egito, o que é péssimo em termos econômicos e sociais, para um povo que literalmente vive ao redor do turismo, e informações desatualizadas podem acabar sendo mais um fator de afastamento das pessoas daquela região.

    Fica mesmo como dica essa atualização, ok?

    p.s.: você chegou a ir à aldeia Núbia? seria um post bacana também, visto que muitos estrangeiros ficam só no passeio de felluca mais básico.

    beijos!

    • Oi, Nathalia!

      Obrigada pelo comentário e pela atualização! 🙂

      A questão do certificado é nova e eu realmente não sabia! Bacana começarem a fazer agora, bem como a música: era um ritual que acontecia nos voos de balão da Capadócia e fazia muito sucesso, sendo responsável por – em parte – muito da magia e da fama dos voos de lá. É ótimo saber que está acontecendo no Vale dos Reis – acho o passeio lindo demais para passar despercebido por muita gente.

      Quanto ao pouso e a aterrissagem, na época o nosso processo (nem o dos demais que estavam conosco) foi preocupante – mas também não foi um mar de rosas, o que deixou algumas pessoas preocupadas na época. E as histórias de acidentes a gente só soube depois e por baixo dos panos, embora eu acho que acidentes podem acontecer pela própria natureza de qualquer voo, seja em balão, avião ou o que for, e não por uma falta de preparo especificamente daquela equipe.Não deixaria de recomendar, portanto – afinal a experiência é maravilhosa.

      Vou acrescentar as suas atualizações e agradeço muito, Nathalia! Acho que o medo que os turistas colocam em torno do Egito por causa das instabilidades políticas está de fato afastanto-os de conhecer um país plural e maravilhoso. Perdem os dois: os turistas e o povo de lá, que precisa e merece ser visitado.

      E, corroborando o o que você disse, as informações que tenho de amigos que moram lá repetem a mesma coisa: a situação está bem tranquila para o turismo.

      Ah, e infelizmente não fui à aldeia núbia, chegamos atrasadas e perdemos este passeio (isso é uma das coisas que lamento até hoje…) 🙁 Não tenho dúvidas que renderia um post maravilhoso…

      Bjos e obrigada!

      • Fico feliz em ter ajudado! Desculpe a demora no retorno, mas só lembrei deste coment ao ver hoje a reportagem do blog no site da ABBV. Parabéns!!! Beijinhos.

  8. Estou adorando a série do Egito, parece que estou revivendo a minha viagem, gosto dde como você conta os detalhes da viagem, dá p sentir o gostinho de estar lá. Näo cheguei a fazer o passeio do deserto por lá, fiz na Tunisia que fui pq queria ir onde filmaram star wars ameaca-(com cedilha) fantasma.

    • Ana, eu queria muito ir para a Tunísia, exatamente porque falaram desse passeio que você fez! Acho que o passeio de balão nestes locais tem uma aura diferente, não sei se por causa da paisagem, mas é um contraste lindo. Você foi ao Egito também? Gostou?

  9. Oi Clarissa,
    Viajei com você neste post… ficou ótimo. Seu voo pode não ter tido tantos balões e um céu tão limpo quanto o meu voo na Capadócia, mas nossas emoções foram as mesmas!
    Um abraço e obrigado pelo link 😉

  10. Olá Clarrisa,

    Adorei as dicas, vou para o Cairo e Luxor no final de setembro, estou super animada. Irei viajar sozinha, você achou perigoso??? Meus pais estão nervosos desde já 😉

    Gostaria de saber que agência você me indica por lá, achei os tours privados caros, me cobraram 580 dólares, por dois dias de passeio no Cairo + dois dias passeio em Luxor + transfer do aeroporto-hotel hotel-aeroporto nos dois lugares … Queria que me indicasse uma agência para que eu possa comparar.

    Quanto ao balão estou animada, pretendo voar tanto em Luxor, como na Capádocia, lugar que irei em seguida, mas pelas pesquisas que tenho feito, na Capadocia, me parece ser bem mais profissional, nos dois lugres já ocorreram acidentes, acho que foram fatalidades.

    Desde já agradeço pelo ajuda.

    Ana Gabriela

    • Oi, Ana!
      Putz, eu demorei muito para responder os emails por uns problemas pessoais, me desculpe – nem sei se ainda dá tempo!
      Mas vamos lá: Eu fiz tudo pela Intrepid Tours (http://www.intrepidtravel.com/), eles fazem esses tours por lá, e na época que fui tinham a bons preços! Dá uma olhada!
      Acho que não tem problema viajar sozinha não (eu também fui), mas eu iria com guias, sempre. Sou uma adepta de viagens independentes, mas no Egito acho que realmente é melhor ir com grupo, você vai se sentir mais segura e confortável (e seus pais vão ficar – um pouco – mais tranquilos!).
      Eu adorei o grupo da Intrepid, aliás! É um estilo de gente aventureira, ótimo!
      Ah, tem que ter os cuidados de sempre: cuidado com quem fala, desconfie de estranhos, cuidado com lugares ermos. O de sempre! 🙂
      De balão eu iria na Capadócia tb!

  11. Olá 😉 , eu vou a Luxor a 16 de Julho e adoraria fazer a viagem de balão , só não sei se tenho tempo para isso 🙁 , vou fazer a subida do Nilo em cruzeiro e vou partir de Luzor ,nao sei se há tempo para a viagem , alguem aqui ja fez essa viagem de cruzeiro? ….acham que há tempo para o Balão 🙂

    • Oi, João, eu fiz a viagem de barco do Nilo e cheguei no amanhecer em Luxor, mas pernoitamos duas noites na cidade. Vai depender da sua chegada na cidade e que horas você parte – vocè parte de Luxor no mesmo dia? Se for, não tem como esticar mais um pouquinho? A cidade tem templos lindos e merece esticar mais por lá.
      Se não me engano, hoje há dois horários do passeio do Balão, sendo um de manhã cedinho ou outro na parte da tarde. Você talvez conseguisse pegar o da tarde, mas também depende da hora que você chega na cidade. É preciso de tempo para chegar lá e formar os grupos.
      Se vocè puder ficar mais tempo em Luxor, dá para fazer o passeio de balão sim, mas tente pegar o horário de manhã, é lindo ver o nascer do sol de lá de cima! 🙂

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.