Recife - Praia de boa Viagem Pernambuco
Recife - Praia de boa Viagem Pernambuco

Tenho um carinho especial por Recife, nascido quando morei em terras pernambucanas durante a época de colégio, no segundo e terceiro ano pré-vestibular. Confesso que, na época, meu relacionamento com a cidade era cheio dos altos e baixos, mas isso não era culpa da cidade: é o que comumente acontece com adolescentes – ou “aborrescentes”, melhor dizendo – naquela época entre os 16 e 17 anos em que a gente sabe de tudo e que tudo o que acontece que a gente não gosta ganha ares de tragédia.

Pois bem, mas mesmo assim, Boa Viagem foi me conquistando aos poucos, com aquele sotaque manso e morno pernambucano, e se na época meu orgulho adolescente me impedia de dar o braço a torcer, hoje nutro um declarado amor pela cidade.

E, por acaso, foi por causa desse período em Recife que voltei à capital pernambucana no início desse ano. Eu seria madrinha de casamento de um amigo dos tempos de escola, e como a ocasião já pedia um tantão só de nostalgia, achei que seria uma boa também aproveitar e ficar um pouquinho em Boa Viagem, onde havia morado lá atrás e que poderia matar as saudades das tias tapioqueiras da Praça de Boa Viagem, bem como do som de Alceu e de Elba, dois queridos.

Recife - Praia de boa Viagem
Aaahh, Recife…! Bom te ver de novo! 🙂

Mas aí começou a busca louca: todos os hotéis e pousadas da região a preços estratosféricos.

Culpa, óbvio, do meu amigo. Me digam vocês, quem manda ter a idéia de casar na semana seguinte ao carnaval em Recife? Enquanto o frevo e o maracatu ferviam nas ladeiras de Olinda e nos preços da alta estação dos hotéis, eu só fazia as contas: pelo andar do bloco carnavalesco, a hospedagem sairia mais cara que a passagem aérea.

A solução abençoada foi o Arrecifes Hostel, um albergue recente na cidade, com cara e energia de novinho e com um ótimo astral. Eu já os conhecia anteriormente  de contatos via Twitter e resolvi aproveitar a oportunidade para aceitar o convite de conhecer eles de perto.

Então, aviso logo: sim, esse post nasceu de um convite para um albergue. Mas todo convite que vem acompanhado de bolo de rolo de goiabada com sotaque é prova irrefutável de um bom acolhimento – e isso eu já tinha aprendido lá atrás, coisas de sabedoria pernambucana.

Devo dizer que sou uma usuária frequente de albergues em minhas viagens, muito mais por apreciar a vibe descolada e a possibilidade de conhecer novas pessoas do que pela opção econômica mesmo. E por viajar com frequência e muitas vezes neste tipo de hospedagem, pude conhecer diferentes perfis de albergues, aprender a dinâmica dos mesmos e definir (de acordo com o meu próprio gosto, diga-se de passagem) algumas hospedagens que fossem as minhas favoritas.

Então, por tudo isso, posso dizer que gostei do Arrecifes – e procuro explicar aqui o porquê. À primeira vista, o local é amplo, limpo e agradável. Uma enorme casa de esquina, com um jardim enorme e uma sala de convivência bem ampla e iluminada dão de cara uma ótima boas vindas. E provavelmente tamanha simpatia seja por causa da “cara” de Recife que o albergue tem: chão de cerâmica claro (típico dos apartamentos do Nordeste e super tudo a ver com as temperaturas mornas pernambucanas!), as janelas de vidro enormes (que deixam entrar a luz e a brisa constante que vem da praia) e as redes, constantes tanto na sala quanto debaixo da árvore.

Cá para nós, eu considero uma rede pendurada como um sinal quase divino de que aquele lugar foi feito pensando em mim! 🙂

Sala de estar do Arrecifes hostel

Os quartos possuem opções de casal e coletivo, tanto com ar condicionado como quanto com ventilador (fiquei no de ventilador porque era o disponível na época, mas devo dizer que ele deu conta do recado muito bem – e olhe que sou calorenta!). Os banheiros são coletivos, mas limpinhos – e os coloridos tecidos de chita são uma constante na decoração, alegrando a casa.

[alert style=”1″]

Observação importante!

Que fique claro: para ir a um albergue é preciso estar ciente de qual é a dinâmica de um. Albergue é uma opção de hospedagem econômica que, sim, tem o seu conforto todo particular – mas sem luxos. Quem opta por um albergue tem que estar ciente de que há comodidades das quais os visitantes podem usufruir, mas não há “serviços” como maleiro, empregados para servir, cozinheiros à disposição, etc. A equipe que trabalha, bem como as instalações da casa, visam receber o hóspede com comodidade e educação, mas o hóspede é responsável pela segurança de seus pertences e da higiene de onde ele está. Sabendo respeitar estas regrinhas de convivência, um albergue é uma excelente opção – e é exatamente esta informalidade que ajuda a aproximar pessoas e a fazer amigos.

Acho que valia abrir este parênteses ao fazer a avaliação de um albergue e, com isso, alinhar as expectativas. Não custa nada, né? 🙂

[/alert]

 

Arrecifes hostel - sala de refeições
Chita na parede, no porta guardanapo, e luz natural: essa é a sala de refeições do albergue!

Aqui só café da manhã é incluído na diária – e o que eu gostei daqui é que o mesmo é bem servido de frutas e sucos bem fresquinhos (algo, aliás, também a cara do Nordeste, prova de quem já morou por aqui). Pães e bolos fresquinhos também estão incluídos, mas eu admito que gostei mais da parte das frutas: afinal, não raro vejo em albergues e até pousadas um café da manhã só com pão, biscoito, bolo e café – uma penca de carboidratos, aliás, que parecem estar ali com o objetivo exclusivo de entupir a gente de uma massaroca só para encher o estômago.

E ali não: tinha banana e mamão fresquinho, e suco de cajá e graviola (sabores mudam com a estação, claro) fresquinhos, feitos da fruta. Hummm!

Café da manhã arrecifes hostel

No almoço e jantar a cozinha fica aberta para os hóspedes utilizarem (usando aquela regrinha básica do “sujou, lavou”).

Masssss… acredite, o melhor do café da manhã do Arrecifes não está na mesa.

Aliás, está atrás dela. É a Rose! 🙂

Arrecifes Hostel - Café da manhã com Rose

Pense naquela mulher arretada, boa de prosa, que vai se chegando num papinho aqui do café da manhã, outro lá, e quando você menos percebeu, já contou sua vida toda para ela, e está ali esperando conselhos.

Porque Rose é assim. Pernambuco também. Cheio de calor e humanidades. 

Tanto que ela até ganhou um espaço especial no site do Arrecifes: um video rápido chamado “Café com Rose”. Vê só!

 

Serviços:

Eu não aproveitei desta parte porque a minha proposta não era fazer turismo – embora, bateu uma saudade monstra de voltar para lá em épocas de carnaval e com um tempinho para visitar mais lugares como a Casa da Cultura, as ladeiras fofas de Olinda, a malemolência de Maracaípe…
Mas a casa oferece serviços à parte para conhecer as atrações turísticas da cidade – e olhe que o que não falta é opção! A contratação é feita na própria recepção e os passeios são a bons preços.

Onde fica:

O hostel tem uma ótima localização: fica em Setúbal, o bairro vizinho simpático e tranquilo de Boa Viagem, e a apenas algumas quadras do mar. Dá para ir andando da praia, e tem ponto de ônibus perto, bem como uma padaria bem jeitosinha (que vende bolo formigueiro e bolo de rolo, duas especialidades engordativas e apaixonantes de Pernambuco, mais tradicionais que bonecões de Olinda no carnaval).

Eu morava a duas quadras da pracinha de Boa Viagem, e vale dizer que o hostel exige uma certa caminhada para se fazer até lá. Mas se o lado ruim é que você não tem a conveniência, você ganha com a qualidade, porque Setúbal é tranquilo, silencioso e nem a presença de uma galera estranha que ronda por lá à noite).

E convenhamos: se você for até lá andando pela praia, nem vai sentir a diferença!


Exibir mapa ampliado

Ah, ele fica também bem pertinho do Paranóia do Mar, um restaurante tudo de bom de Recife e um dos meus preferidos (tem uma patola de carangueijo e um caldinho de sururu di-vi-nos!). Ele fica ali na Rua Professor Augusto Lins e Silva, 666 . Mas antes de ir vale ligar para lá para confirmar se vai estar aberto! O telefone é 81 3462-7222.

Preços:

As tarifas dos quartos por alta e baixa temporada podem ser encontradas aqui.

Para fazer a reserva: clique aqui ou aqui.

Como chegar:

Clique nos links para visualizar os mapas a partis dos destinos aeroporto, Olinda e rodoviária:

Vindo do aeroporto

Vindo de Olinda

Vindo do TIP (rodoviária)

Essa jornalista e blogueira ficou hospedada a convite do Arrecifes Hostel, em fevereiro de 2013.

Comments

2 COMENTÁRIOS

  1. Só não gostei porque você veio aqui e a gente não conseguiu se encontrar! Hunf!

    De resto, tomo os elogios aos pernambucanos para mim 😉

    Saudades, beijão!

    Ps. Salvo o engano, acho que eles mudaram de endereço. Fica a sugestão!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.