[show_AdSense float=”left” ad_client=”pub-9501066899733075″ ad_slot=”6562283172″ ad_width=”250″ ad_height=”250″ ]

Antes mesmo de pôr os pés em Bonito, a gente já chega lá sabendo de uma coisa: que flutuação num rio ultra transparente e cheio de peixe é o que há das atrações Bonitenses. 🙂

Tudo bem, flutuação é o que deu a Bonito a fama que ele tem hoje – e de todas as possibilidades de passeios com snorkel que tem por lá, o Rio da Prata é o bambambã (tanto que, se você não tem muito tempo para aproveitar Bonito, é o passeio que você pode e deve priorizar na sua rápida listinha – já vai valer a viagem!).

Mas sabe porque lá é o melhor passeio de Bonito?

– Porque é lá que foram tiradas quase todas as fotos que você vê e imagina quando se trata de Bonito: rios cristalinos, peixões nadando e uma água tão transparente que dói! Tipo, como se o Rio da Prata estivesse para Bonito como o Cristo Redentor está para o Rio de Janeiro. 😉

Rio da Prata (19)
Crédito da Foto: Divulgação Agência de turismo Bonito Hostel

– Foi eleito pelo Guia Quatro Rodas como a melhor atração turística do Brasil em 2008 e 2009. E imagino que os caras devem ter testado um bocado de atração para fazer esse julgamento.

– Porque dá para tirar fotos assim, ó – e sem precisar de montagem. A água é tão transparente que se você pegar uma câmera à prova-d’água, colocar a lente bem no meio da linha d’água, é possível conseguir esse feito – e levar para casa uma imagem de dois mundos diferentes numa mesma foto!

flutuaçãoriodapratabonito

Mas vamos lá: como é o passeio?

A gente explica toda a  parte logística da reserva do passeio no post “Bonito: escolhendo as atrações e planejando seu roteiro“, mas aqui eu resolvi fazer diferente, e contar passo a passo como o passeio foi comigo. Tipo, levando vocês na mão. Pode ser? Então vamos! 🙂

O passeio começa na fazendo do Grupo Rio da Prata, que tem toda a estrutura montada para organizar o passeio – na minha opinião, também junto com o Abismo Anhumas, é o que dispõe da melhor estrutura. Logo na chegada à sede da fazenda, o grupo de visitantes é orientado a procurar os guias do passeio, que vão oferecer neoprenes na sua medida e sapatos de mergulho. É também onde deixamos mochilas e roupas para serem guardadas – vale só levar as câmeras à prova d’água, imperdíveis!

É também nessa hora que o pessoal orienta você a, antes de de colocar o neoprene, ir ao banheiro. Não só porque depois de vestir a tal roupa de borracha fica mais difícil, como também porque a água do Rio da Prata é meio friazinha, e a flutuação por lá dá uma vontade enorme de fazer xixi!

E nem dá para dar uma de zé mané e fazer no rio mesmo, só porque ninguém tá vendo: como o neoprene é impermeável, vai acabar que você vai nadar no seu próprio xixi. Eca!

Todos prontos, o grupo é conduzido por uma trilha fácil, mas comprida: mais ou menos 2 km andando numa área demarcada, sendo conduzidos pelo guia que vai explicando as espécies de plantas da região.

Bonito_MS_figueira_mata_pau
Um exemplo de vegetação típica é a figueira mata-pau: as sementes caem no solo e brotam perto das raízes de uma árvore alta e frondosa. Aos poucos, a figueira vai crescendo e envolvendo a árvore maior, sugando seus nutrientes e fortalecendo-se até estrangular e matar a árvore maior. Dizem que um comportamento semelhante também se observa em espécimes de colegas de trabalho em muitos escritórios por aí.

Mas, tá, é muito bacana mas a verdade é que a gente, lá no fundo, quer mesmo é ver o Rio da Prata logo. 🙂

E chegamos: a flutuação começa a partir desse deck, onde os grupos se preparam, ouvem as instruções finais do guia  e, finalmente, caímos na água.

Lógico, a parte mais esperada! 🙂

deque do Rio da Prata

Que fique claro: o rio não é fundo, e o chão é facilmente alcançável – mas a orientação é não pôr o pé no chão nunca, pois isso levanta uma enorme quantidade de sedimentos e deixa a água turva, especialmente para os coleguinhas que vem logo depois. E, bom, isso tira toda a graça do passeio.

E a gente só entende que o Rio da Prata é tudo o que dizem dele assim que a gente mergulha e “testa” o snorkel pela primeira vez… e vê isso!

Flutuação no Rio da Prata

Começamos um “ensaio”, flutuando no início do trecho do rio até completar uma volta, só para a gente se acostumar com o snorkel e com a sensação de deixar o rio te levar. Coisa, aliás, fácil fácil de fazer!

E aí sim, a gente cai no Rio da Prata adentro! 🙂

Flutuação Rio da Prata

A experiência é fantástica: a correnteza do rio aqui é um pouco mais rápida, mas nada de assustador – muito pelo contrário, o rio permite passear lentamente por suas águas sem precisar sequer bater perna ou fazer qualquer movimento – só deixar o corpo fluir.

Peixes no rio da Prata

Ah, e admirar os colegas de jornada: pacus, piraputangas, dourados, pintados… Todos enormes, às vezes em cardumes, passeando tranquilamente bem pertinho de você. Definitivamente, poucas vezes me senti tão integrada à natureza, e de uma forma deliciosa, como aqui!

Peixe Bonito

peixe no rio da prata início

Peixe no rio da prata

 Em alguns momentos da flutuação é preciso sair do rio para contornar obstáculos como troncos de madeira atravessados – e eventualmente, fazer um pipi-stop quando necessário. É também quando os guias avisam para nos mantermos do lado direito ou esquerdo do rio para desviar de algumas pedras pontiagudas – como o rio é raso, é preciso ter cuidado para não esbarrar nelas.

Rochas pontiagudas no Rio da Prata

 A sensação de paz é deliciosa: por causa da flutuação na água, tudo o que se escuta é um enorme silêncio ou barulho de água correndo, e tanto a gente como o mundo – um mundo azul, transparente e cheio de peixes coloridos ali debaixo d’água – parece deslizar devagar e preguiçosamente!

Aqui, um pequeno vídeo, mega despretensioso, de como é a sensação! 🙂

A flutuação dura aproximadamente 1 hora e 40 minutos, mas na prática o tempo parece passar muito diferente disso! Ao final do percurso, o grupo deixa o rio em direção a uma cabana, onde retira todas as roupas de neoprene e pode se enxugar e voltar a se vestir. Uma caminhonete nos aguarda para levar de volta à sede da fazenda, onde o almoço quentinho e caseiro está pronto.

Bonito_MS_Rio_da_Prata_carro

Quando eu fui, o almoço aconteceu lá para o fim da tarde, pois o Rio da Prata foi combinado com a Lagoa Misteriosa (que fizemos na parte da manhã). Achei essa uma ótima combinação, e há muitos hotéis e pousadas que já oferecem vans compartilhadas com este roteiro, o que faz com que a gente ganhe no deslocamento. O único detalhe é que, geralmente, quem topa este passeio não tem tempo de fazer o almoço antes de ir no Rio da Prata (nem é recomendado, inclusive, já que logo em seguida acontece um bom tempo de flutuação). Ou seja, a gente só almoça mesmo, e cheios de fome, lá quase no fim da tarde. Então fica a dica: leve umas barrinhas de cereal ou sanduíches leves. 🙂

Passarinhos da Entrada do Rio da Prata
Não raro, uma família enorme de passarinhos estão disputando comida na sede, bem na hora que você chegar da flutuação! 🙂

Informações práticas:

Quanto custa: a flutuação está à partir de R$ 198, para adultos – incluindo o almoço (preços de dezembro de 2013. Para ver sempre os preços atualizados, confira esta tabela aqui).

Com quem agendar: Tem que fazer a reserva com antecedência, pois há um limite de pessoas por dia para os passeios e como este é a atração TOP de Bonito, vale a pena reservar antes. Para isso, basta entrar em contato com qualquer agência de Bonito – a agência com que fechamos foi a que fica dentro do HI Hostel, a Bonito Ecological.

Como organizar o passeio: Tente agendar o Rio da Prata junto com a Lagoa Misteriosa e com o Buraco das Araras, já que as atrações são próximas entre si e você ganha no deslocamento! Mais dicas e como organizar seus passeios em Bonito você encontra aqui.

Essa jornalista e blogueira que vos fala foi a Bonito a convite do HI Hostel Bonito e de seus parceiros, como o Grupo Rio da PrataEstância Mimosa e Lagoa Misteriosa

*****************************************************************

Links para ajudar a organizar sua viagem a Bonito:

Hotéis e pousadas em Bonito Agência para reservar os passeios | Aluguel de carros no aeroporto de Campo Grande (MS)

E mais posts:

Bonito para iniciantes: como ir, onde ficar, o que fazer e qual a melhor época para visitar?

Nascente Azul: vale a pena incluir no seu roteiro?

Flutuação no Rio da Prata: porque esse é o melhor passeio de Bonito

Bonito by bike: Esporte, trilhas e ecoturismo sobre duas rodas

Lagoa Misteriosa: um dos melhores lugares para mergulhar no Brasil

Onde comer em Bonito: dicas de restaurantes, bares e lanchonetes por lá

Bonito Hostel: um review da melhor hospedagem econômica de Bonito

Bonito: escolhendo as atrações e planejando o seu roteiro

Comments

5 COMENTÁRIOS

  1. Olá! Estou adorando suas dicas, vou à Bonito no final de junho e estou muito receosa com a temperatura da água. Essa roupa de neoprene aguentou bem? Sinto muito frio e estou com medo de não aguentar. Beijos

    • Lorraine, não vou mentir que a água é geladinha sim – como toda água de rio e cachoeira. Eu fui em maio, estava bem quente no dia, mas ainda assim a água estava fria.
      A roupa de neoprene ajuda. O passeio, também – você passa frio nos primeiros momentos, mas depois acostuma – sério!!!!
      Tente mesmo assim, a experiência é fantástica.

      (PS: De todos os lugares que eu fui em Bonito, o único que eu não consegui entrar porque a água era muito gelada foi a cachoeira Boca de Onça. Todos os outros rios seu fui – inclusive, sem neoprene!)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.