[show_AdSense float=”left” ad_client=”pub-9501066899733075″ ad_slot=”6562283172″ ad_width=”250″ ad_height=”250″ ]

E por fim, a última parte da série…

Quer ver o restante da lista? Aqui estão os links para a parte um e a  dois da série!

Lembrando que esta relação – que não está em ordem de preferência – foram as minhas melhores experiências em 18 dias passeando por todo o país.

Pode até ter ficado alguma coisa de fora (como subir o Monte Sinai, por exemplo, que eu não fui). Mas a idéia era mostrar o que que está além do óbvio pode ser (e no caso do Egito é) bem mais interessante…

Claro que a lista pode e deve crescer – e conto com vocês para isso, porque adoro trocar figurinha! Qual lugar você acrescentaria?

 

17. Dahab

 

Indiscutivelmente, disputa com o Oásis de Siwa o meu lugar preferido no Egito. Cidadezinha que fica na Península do Sinai, às margens do Mar Vermelho. Menos badalada do que a badaladíssima Sharm-El-Sheik, e por isso mesmo mais acolhedora, sem os resorts gigantescos da primeira. O resultado é um cantinho que mistura um quê de Porto de Galinhas (o colorido e o alto-astral) com Búzios, no Rio de Janeiro (cheio de gringos para lá e para cá). Mas, mesmo assim, é uma cidade turística ainda sem o assédio insuportável dos vendedores. Passeie pela orla (deliciosa), alugue uma bicicleta (imprescindível) e vá pedalar pela cidade, ou simplesmente pare em um dos barzinhos (minha indicação: Funny Mummy), peça uma pizza egípcia (absolutamente deliciosa!), um chá beduíno (típico da península) e um “sheesha” – o famoso narguilé (uma sugestão? O de maçã verde!). Se for de noite, peça para deixarem uma fogueira próximo à você, recoste-se e desfrute de tudo isso ao mesmo tempo agora.

Duvido que não role uma leve depressão na hora de voltar para casa…

 

18. Mergulho no Mar Vermelho

 

 Disputa com a Grande Barreira dos Corais o posto de melhor lugar do mundo para mergulhar. Bom para nós. Escolas e empresas de mergulho fazem passeios de barcos todos os dias, e para quem interessar possa, o curso de mergulho (com carteirinha internacional e tudo) pode ser feito todo por lá a preços bem mais em conta (lembro que eu fiz só o batismo, e paguei 40 dólares por isso, com tudo incluído). E o mergulho em si é fantástico: a sensação é de estar em pleno filme “Procurando Nemo” – mas 3D.

 E, pelo menos quando eu fui, sem a parte da água viva. Vale ressaltar.

 

20. Acampar por uma noite no Western Desert

 

 

Em nome de uma experiência única, deixe a frescura de lado e vá. Acampar no Western Desert é a chance de presenciar belíssimos espetáculos que só o fato de estar perdido no deserto proporciona. Como comer comida árabe fresquinha, preparada na hora, sob um céu estupidamente estrelado – e, porque não dizer, coalhado de estrelas cadentes.

E a gente acorda antes do sol nascer (se você não é do time dos que acordam cedo, não se preocupe. A claridade fará isso por você.), ainda a tempo de presenciar uma amanhecer de outro mundo. Eu, pelo menos, nunca vi nenhum igual.

O mesmo vale para a lua. “Supermoon” ali é toda noite. Sério.

O frio é de rachar, é verdade – e por isso a excursão indica que se leve sacos de dormir poderosos. Mas as empresas que organizam oferecem cobertores e toda a estrutura (básica), para uma noite confortável – dentro do que a aventura permite, sem dúvida.

Ô, se vale a pena.

 

21. Ouvir música árabe (ao vivo, claro)

 

Os árabes adoram música. E quase todos sabem cantar e dançar, o que torna comum cenas como uma roda de homens com vários instrumentos (ou, às vezes, nenhum) cantando. Sempre, as melodias bonitas da música árabe, entoando notas que parecem dançar nos nossos ouvidos. Embora mulheres egípcias não participem dessas rodas, todas as músicas são sempre falando de amor. Então, quando vir uma rodinha, não se iniba e chegue perto para escutar: eles respeitam, adoram um público e dão várias palhinhas para os visitantes.

Não raro, pedem para você cantar também uma música do seu país de origem. Intercâmbio cultural é isso aí!

 

22. Entrar no Clima

 

 

Há várias formas de você fazer isso: comprar e usar os lenços árabes, aprender a cozinhar (alguns hotéis dão aula), aprender as palavras, participar de uma roda de música… O árabe é extremamente hospitaleiro, e se sente imensamente prestigiado quando você curte (de verdade) a cultura dele. E você pode se surpreender: o que no início pode parecer uma simples venda de um produto ou serviço para turista, no final ele pode te mostrar/ensinar coisas da cultura dele de graça.

Ok, não é sempre que isso acontece. Mas como em toda viagem, certas coisas valem a pena a gente ir com o coração aberto.

 

22. Crianças egípcias

 

 

Elas são lindas e curiosas a respeito de todo estrangeiro. E mesmo que muitas vezes alguns adultos não permitam que você faça grandes interações com elas – ou, ainda, queiram te cobrar por uma simples foto – muitas só querem chegar perto e conhecê-lo. Não repare, por exemplo, se uma excursão de estudantes passar perto e, subitamente, você virar o alvo da atenção da criançada.

Fora que ainda te possibilita tirar lindas fotos!

 

23. Se render ao luxo das arábias (pelo menos uma vez!)

 

 

Pelo menos uma vez mesmo, porque é caro. Mas, se tiver a chance, hospede-se por uma noite em um dos hotéis chiquetésimos de Alexandria ou de Gizé, próximos das Pirâmides. Além de vista privilegiadíssima, alguns hotéis são decorados dentro do estilo oriental (luxo puro!) e possuem spas deliciosos com massagens e óleos aromáticos (no Egito, aliás, a oferta de óleos para todos os efeitos e propósitos é enorme, e vontade não faltou de experimentar, mas somente nestes spas voltados para estrangeiros eu senti mais confiança). Este, da foto, é o Oberoi, cujo “quintal”, literalmente, é a Pirâmide de Quéops.

E mais: considerando que você passou alguns diazinhos no deserto, tomar banho numa banheira de sais e dormir em lençóis de puro e autêntico fio egípcio é mimo mais do que merecido, né?

 

24. E, finalmente, elas...

 

 

Sim, deixei elas pro último para mostrar que o Egito oferece muito mais do que o óbvio. Embora é fato que as Pirâmides merecem toda sua atenção e deferência ao visitá-las. Procure ir bem cedo, longe da chegada das hordas de ônibus de turistas, acompanhadas por igualmente numerosa quantidade de vendedores ambulantes. E não repare se à primeira vista você se decepcionar com elas: às vezes isso acontece, e podemos creditar boa parte disso à expectativa de uma vida inteira ouvindo falar naquelas que são as únicas maravilhas do mundo antigo que sobreviveram.

Mas se isso acontecer, dê um tempo, dê uma volta, e pare para tomar um chá que é servido em um terraço perto da entrada onde fica a Esfinge. E reserve alguns minutos observando em silêncio – do mesmo modo que fizeram  tantos faraós, reis e imperadores há milhares de anos – ou, como disse Napoleão quando esteve lutando por lá, “Do alto dessas pirâmides, quarenta séculos nos contemplam”.

Napô ganhou a batalha, mas errou na conta. Para menos.

O que fica guardado desta vista é carregado de  História, simbolismos e poder. Uma chave de ouro para fechar a sua viagem ao Egito antes de voltar para casa…

Comments

20 COMENTÁRIOS

    • Oi, Ana! Que bom que você gostou do post!
      Tenho um post em que explico direitinho como planejar sua viagem ao Egito, e você pode acessá-lo aqui, neste link.
      E aqui tem toda a relação de posts que eu escrevi do Egito até agora (ainda falta destrinchar um pouco mais do destino, o que devo fazer nos próximos posts, mas já te dá uma ajuda!).
      E claro, tendo qualquer dúvida é só perguntar! 🙂

      • Olá Clarissa !!

        Que bom que descobri seu site. Adorei!!! Estou embarcando sábado pro Egito e fiquei emocionada com o lugar que vou conhecer…E também vou subir o Monte Sinai, numa vigília que vai durar a noite toda, então prometo te escrever sobre a experiência.
        Valeu !

        • Oi, Ana! Ah, por favor, se você puder me contar como foi, vou querer saber sim! A vigília estava nos meus planos, mas chegando lá soubemos que o tempo tava muito frio, e optamos por trocar a friaca do Monte Sinai pelo calorzinho de Dahab… Mas tá na lista para eu voltar, um dia!

          Curiosa com seus relatos! Tenha uma ótima viagem! E aproveite a comida lá, é deliciosa – deu até saudade só de lembrar! 🙂

  1. Amei a foto do luxo das arábias! Também sou fã de Dahab! Lembro-me que jantei na areia, era um frangão com arroz e bebida… por 3 dólares!!!! Tudo bem que isso foi há 10 anos, mas já era quase de graça! 🙂

    • oi, Silvia! Olha, isso não mudou muito: lá em Dahab, os meus jantares incluíam uma pizza árabe (do tamanho da nossa “média”, chás até dizer chega, uma entrada de pães árabes e aquelas pastas deliciosas, uma sobremesa de frutas com mel e sorvete de comer rezando e ainda o aluguel de um narguilé… Tudo isso ao equivalente a 8 dólares!
      Fora que a cidade é toda charmosinha… Me apaixonei! 🙂

  2. Muito interessante seu blog, adorei. Eu estava querendo ir ao Peru em janeiro. Mas pesquisei e vi que não é uma época muito boa pois chove bastante nesse mês. Depois pensei no Egito e também li que não recomendavam o mês de janeiro. Que lugar você já foi e recomenda? Eu quero conhecer um lugar diferente, bonito, com pessoas e cultura diferente. Se puder me dar uma dica eu agradeço. Obrigada!

    • Camila, que bom que gostou!!!
      Quanto à sua pergunta: bem, eu fui ao Egito exatamente em janeiro e foi ótimo: é inverno lá, e o tempo durante o dia é bom, beirando os 25 graus, só esfriando bastante à noite, mas aí é o normal de deserto. É melhor do que ir em julho, auge do verão e do calor de 50 graus. Mas tem muita opção bacana na América: eu sou apaixonada pelo México (o clima é bom, colorido, gente diferente – mas não fique só em Cancun, vá para lugares mais dentro do país, como Oaxaca, que é apaixonante), Peru (chove em Machu Pichu, mas nada impede que você vá para Arequipa que é linda!). Norte do Chile como Atacama também é uma lindeza, e janeiro é a melhor época para visitar a Patagônia Chilena e Argentina (que eu já fui nessa época do ano e é lindo mesmo!).
      Ou seja, opções não faltam! Se precisar de ajuda me avise: quase todos esses destinos que eu mencionei tem posts aqui no blog, é só procurar pelo país e cidade!
      Beijos!

  3. Clarissa, seu blog era tudo o que eu precisava saber sobre o Egito para preparar um roteiro de uns 11 dias que terei em Junho para visitar! Sensacional suas dicas, comentários sobre os lugares e tudo mais! Amei!!!
    Gostaria de saber sua opinião. Como terei férias com meu marido, não sabemos se compramos algum pacote básico por aqui (Cairo + Luxor + Aswan) e tentamos encaixar Dahab e Siwa (vc mais do que convenceu a ir até lá) e comprar por lá mesmo? Qual é a sua opinião sobre estes pacotes básicos que temos aqui no Brasil? ou faço o meu próprio roteiro com tudo o que pudermos fazer em 11 dias lá? Também queremos fazer passeios fora do “básico turistico” assim como vc fez!!!
    Aguardarei sua sugestão e opinião sobre isso.
    Grata!

    • Oi, Luciane! Tudo bem? Obrigada pelo recado no blog, fico feliz que tenha gostado! Vou tentar ajudá-la aqui com suas perguntas!
      Vamos lá:
      Eu acho que você consegue reservar passeios por lá para Dahab sim, mas Siwa acho difícil, se você estiver saindo do Cairo ou Luxor. Siwa é um oásis delicioso e o meu preferido, mas parte do seu charme é o fato dele ser bem afastado – e eu digo 10 horas de estrada partindo de Alexandria. Portanto, acho que para incluir no seu roteiro, ou você fica mais dias e faz um roteiro especial pelo deserto, ou vai ficar complicado.
      Eu não conheço agências de turismo por aqui pelo Brasil que façam roteiros assim, diferentes, fora do basicão turístico (acredito que devem existir sim, eu que não conheço). A minha dica de coração seria ir com uma agencia chamada Intrepid Travel (é uma agência australiana e os preços e o tour é todo em inglês, que eles levam pessoas do mundo todo). Se o idioma não for um problema, eu acho que essa vai ser a melhor experiência possível: algunns amigos e leitores aqui do blog já foram com eles e se apaixonaram, porque eles tem mesmo essa pegada de “inusitado, exótico, fora do comum”, e as experiências foram sensacionais. Se você tiver interesse em ler um pouco mais sobre eles, veja este link (é o pacote que eu contratei): http://www.intrepidtravel.com/egypt/explore-egypt-70498. Todas as experiências que você vir aqui com Aswan, Cairo, Luxor (voando de balões e tal), e até o deserto (incluindo Siwa) foram feitas com eles. O ruim é que um roteiro desse completinho leva 15 dias (eu fiquei um total de 18 no Egito, com mais três em que fui a Dahab), então talvez você não consiga incluir todos esses lugares (Cairo, Luxor, Aswan, Dahab e Siwa) em 11 dias. Se você tiver mais tempo, eu sugeriria dar uma olhada nesse pacote de 15 dias deles. Se não, tenta ver os pacotes deles de 8 dias, por exemplo (como esse: http://www.intrepidtravel.com/egypt/egypt-family-feluccas-pharaohs-70714 e esse: http://www.intrepidtravel.com/egypt/egypt-adventure-70500) e tenta incluir Dahab no final (eu fechei o meu tour com a recepção do hotel em que eu estava, então eu acredito que você consegue fazer isso tb!). Dahab merece pelo menos dois dias (sem contar a ida e a volta do Cairo).
      Dá uma olhadinha com carinho nesses links e me fala! Espero ter ajudado! 🙂

  4. Olá Clarissa!

    Fiquei encantada com a sua visita ao Egito, toda imagem que eu tinha na minha mente sobre deserto, e todas aquelas outras coisas que imaginamos sobre quando alguém fala em Egito, era engano! Haha! Queria te pedir um simples favor.. Esse fim de semana terei Mostra Cultural no meu colégio, e de trabalho, decidimos criar uma agência de viagens, e os professores deram o Egito para o grupo, com a tentativa de convencer todas as pessoas que forem nos visitar no fim de semana, a quererem viajar para o Egito, mas aí é que tá, como conseguir convencer as pessoas a quererem viajar para o Egito, Clarissa? Poderia dar algumas dicas, algo que possam fazer eles realmente terem o desejo de irem pra lá. Lembrando que infelizmente existem outras agências com outros grupos de outros lugares para viajar.. Então precisamos vencer! Espero ansiosamente pela resposta!!
    Abraços!

    • Oi, Daphne! Olha, a parte do deserto, que é a primeira coisa que a gente pensa sobre o Egito, tá certa sim! A diferença é que o deserto é muito bonito, um passeio fantástico – e isso é que surpreende a gente!
      Quanto à ajuda… bem espero que dê tempo (desculpe a demora na resposta, mas é que andei bem enrolada estes dias) mas aqui no blog tem uma série completa sobre o Egito, com passeios diferentes e tudo – e que eu acredito que são razões maravilhosas para visitar e convencer para ir ao Egito.
      O link está aqui: http://www.dondeandoporai.com.br/category/destinos/africa/egito/
      Dá uma pesquisada, tem de tudo! Tem listas de coisas para se ver no Egito; tem passeios fantásticos pelo deserto; tem museus de antiguidades (ótimo para quem ama a História do Egito Antigo), tem passeio de balão; tem cidade de praia… Tem de tudo, para todos os gostos!
      Espero que o conteúdo ajude – tem muita coisa legal ali para te dar idéias para o seu trabalho de grupo!
      Boa sorte! Depois me conta se você conseguiu!!! 🙂

  5. Btarde Claudia, adoooooooorei seu blog, td q eu tava procurando… então, tentei acessar o link “como planejar sua viagem”, mas por qq motivo não conseguir. É q estamos (meus 2 filhos e eu) querendo visitar o Egito em fevereiro/16, no período de carnaval, ou seja, temos uns 10 dias ao todo. Gostaria q vc, se possível, me esclarecesse algumas dúvidas: Esse tempo q nós dispomos é suficiente para fazermos um roteiro legal? Além dos templos/pirâmides, o que vc acha q dá pra fazer dessa lista a seguir: acampamento no west desert, passeio de fellucca no rio Nilo, visita a Alexandria, voo de balão, mar Vermelho. Vc teria alguma indicação de hospedaem e de guia? Mto Grata

    • Oi, Rita! É, o blog estava com alguns probleminhas técnicos, mas agora está funcionando!
      Então: qual a idade dos seus filhos? Porque se eles forem maiores, você pode tentar ir com uma agência – eu fui com a Intrepid, e gostei muito do atendimento deles e dos tours, que me permitiu uma experiência bem única das atrações lá.
      Vamos às suas perguntas:
      1) Ir em fevereiro é ótimo, é o inverno deles e você não deve sentir tanto calor (quer dizer, pode pegar época de calor sim, tipo 30 graus, mas não os 50 que fazem no verão egípcio. À noite vai fazer bastante frio, quase 0 graus).
      2) 10 dias está pouco para fazer isso tudo que você falou: eu fiz tudo isso em 14. Lembre-se que no Egito você vai perder tempo com deslocamentos, especialmente no Deserto. Se você só puder ficar 10 dias, vai precisar cortar algumas coisas (pode cortar Alexandria, que é uma cidade meio feia, e em comparação às outras atrações, a mais dispensável). Provavelmente você também vai ter que escolher entre acampamento no deserto e Mar Vermelho, acho que em 10 dias não vai dar para fazer os dois.
      3) Eu fui com a Intrepid Travel: http://www.intrepidtravel.com/ e eles tem vários pacotes diferentes, você pode ver um dos tours que mais “combina” essas atrações que você queira. Eu não recomendaria ir sem guia ou agência no atual momento, especialmente porque a região de lá anda meio instável.

      Espero ter ajudado.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.