[show_AdSense float=”left” ad_client=”pub-9501066899733075″ ad_slot=”6562283172″ ad_width=”250″ ad_height=”250″ ]

Acabado o passeio fofo e mágico por Salta, era hora de seguir o nosso roteiro. Como íamos até a Uyuni, cidadezinha no meio do deserto da Bolívia, e a viagem até lá durava o dia inteiro, optamos por comprar uma passagem de ônibus de Salta até La Quiaca, ainda território argentino, cruzar a fronteira até Villazón, trocar dinheiro pela moeda local deles e de lá pegar um trem até Uyuni.

A viagem de Salta até La Quiaca durava umas 7 horas. Então, compramos a passagem para a noite, pois iríamos dormindo e economizaríamos uma estadia.
Informação importante sobre os meios de transporte argentinos. Quando eu estava pesquisando na internet sobre ônibus, vi muita gente reclamando sobre os ônibus deles e tal, e honestamente devo dizer que os nossos são muito melhores. Mas pelo menos, em termos de variedade de companhias e de horários eu não pude reclamar.
Compramos a passagem no guichê da rodoviária de Salta às 17:00, e viajamos na meia noite do mesmo dia. Haviam várias companhias que iam para La Quiaca e diversos horários a disposição, de modo que nosso medo inicial de não encontrar passagens acabou.
Caso quem queira procurar pela internet, um site muito bom é http://www.plataforma10.com/
OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Lá é só você marcar a cidade de origem e destino e data, e ele informa se existe uma linha que faça esse trajeto, qual a companhia e quanto custa. As vezes ele é meio falho dependendo do lugar, mas já ajuda a dar uma idéia na hora de calcular o trajeto da viagem e os preços. A nossa passagem, honestamente não lembro quanto foi (aconteceu tanta coisa depois disso que essa informação se perdeu na minha cabecinha em meio ao estresse) mas lembro que foi mais barato que o site, inclusive.

Agora, conforto… bem… Aí são outros quinhentos (continue seguindo os posts do mochilão aqui para saber como foi!).

Comments

Artigo anteriorArredores de Salta, na Argentina: Conhecendo Cafayate, uma ode às mil belezas das pedras
Próximo artigoUm vislumbre da Bolívia: viajando de ônibus até a fronteira
Clarissa Donda
Sou jornalista e escritora. Eu criei esse blog como um hobby: a idéia era escrever sobre minhas viagens para não morrer de tédio durante a recuperação de um acidente de carro. Acabou que tanto o blog quanto as viagens mudaram a minha vida (várias vezes, aliás). Por isso, hoje eu escrevo para ajudar outras pessoas a encontrarem as viagens que vão inspirar elas também.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.