Banff Canadá
Banff Canadá

“E aí, qual delas você gostou mais?” 🙂

Essa foi a pergunta que eu mais ouvi, quando voltei de um período de 9 dias de viagem pelo Canadá na primeira metade de dezembro de 2013, a convite do CTC – Canadian Tourism Comission. O motivo era esse mesmo: conhecer de perto as estações e resorts de ski em Whistler, Banff (nas Montanhas Rochosas) e em Grouse Mountain, pertinho da fofa Vancouver.

A pergunta é capciosa e bem difícil de responder: afinal, era minha primeira vez no Canadá, país lindo que só, e era um dezembro gelado, branco e ensolaradíssimo, que somado à vibe de natal que estava em forma de renas (de verdade!), enfeites natalinos e musiquinhas em todo lugar, fazia a experiência ser duplamente apaixonante e difícil de escolher a melhor para o quê.

Mas foi bom porque deu para conhecer bem sobre cada lugar e ter experiências de verdade: inclusive, ter aulas de esqui, alugar equipamento, se acostumar com botas e comprar – ah, comprar! – roupas de frio, souvenirs e etc, toda vez que o frio apertasse. Então, colocamos nossas opiniões aqui, separadas, com os pontos altos e indicações de cada lugar, para ajudar você a tomar sua própria decisão na hora de decidir para onde ir, dependendo de como quer fazer sua viagem (em família, com a galera, para esquiar móóóito ou só para acompanhar o maridão/esposa).

Até porque, quando você for lá, provavelmente vai concordar comigo: é difícil dizer qual deles a gente vai gostar mais! 🙂

Ah, e com ele, a gente abre a nossa série de posts sobre o Canadá! Em breve, saem aqui os próximos posts explicando os detalhes de cada um desses lugares, tá? Fiquem de olho!

 

Grouse Mountain (Vancouver)

A montanha mais perto de Vancouver – tão perto que parece que basta atravessar uma ponte e ela já está lá. A subida é feita de cable car, num trajeto que já é bonito por si só.

Meu palpite: acho que a Grouse Mountain é ótima para quem pretende ficar hospedado em Vancouver e de lá fazer os passeios nos arredores – em outras palavras, aproveitar o dia na montanha mas voltar para seu hotel e ter a estrutura de uma grande cidade. É uma boa também para quem vai para lá com grupos maiores e com gostos diferentes (por exemplo, parte do grupo pode ir esquiar enquanto o resto vai bater perna pela cidade).

Veja aqui opções e preços de hospedagem em Vancouver.

Grouse Mountain, em si, tem um ar bem família e ótima para crianças pequenas, que podem se arriscar nas aulas de esqui ou simplesmente aproveitar as outras atividades da neve, como snowshoeing (sapato esquisito que parece uma espécie de raquete, e com o qual fica mais fácil caminhar pela neve fofa – é bem divertido!), ou patinação no gelo. Eles sempre contam com atividades divertidas (por exemplo, no natal havia uma cabana de madeira que era o “Santa Workshop” ou “Oficina do Papai Noel”), e há até uma rena pastando ali perto!

E o bom é que todas as atrações, inclusive a área de treinamento, ficam pertinho da sede principal – então, se a criança cansar rápido, é rapidinho de trazê-la para dentro! 🙂

Mas o pessoal que é mais experiente no esqui e no snowboard e vai querer uma experiência mais radical e intensiva, acho que o Grouse Mountain vale a pena se você for ficar apenas por Vancouver por poucos dias e quer fazer um bate e volta só para brincar. Para quem quer um “run” mais sério, vá a Cypress Mountain, um pouco mais afastado de Vancouver, ou opte para ficar alguns dias em Whistler e Banff!

[alert style=”2″]

Grouse Mountain em números:

Preços de aluguel de equipamentos:  

Pacote esqui (botas, esquis e skipoles): $42 (jovens e adultos de 13 a 64 anos), $26 (de 5 a 12 anos e acima de 65) e $18 (para crianças de até 4 – capacetes incluídos).

Pacote Snowboard (botas e prancha): $42 (de 13 a 64 anos) e $26 (de 5 a 12 anos e acima de 65)

Passes diários: $58 (de 19 a 64 anos), $45 (13 a 18 anos e acima de 65 anos), $25 (de 5 a 12 anos) e gratuito para crianças de até 4 anos. Mais informações aqui. Mais informações aqui.

Aulas: a partir de $45 (sem aluguel de equipamento nem o passe), $78 (incluindo o aluguel) e $126 (incluindo aula, aluguel e passe). Mais informações aqui.

Para quem fica mais dias, há pacotes incluídos – veja mais no site.

Todos os valores em dólares canadenses, referentes à temporada de inverno 2013/2014. Para preços atualizados, veja aqui.[/alert]

Whistler

Famosa e queridinha dos esquiadores mundo afora, Whistler tem mesmo uma atmosfera especial. Mal comparando, eu diria que ela é uma espécie de Búzios dos esquiadores: troque a praia pela montanha ( e o biquíni por muuuuita roupa!) e pronto: você tem uma vila badalada, jovial, que respira esporte e festa ao mesmo tempo. Uma delícia!

Então, seguindo a mesma teoria de Búzios, eu diria que Whistler é uma badalação estilosa, dividida em dia e noite. De dia, cedo, a ação acontece nas duas montanhas, Whistler e Blackcomb, cuja subida é feita no cable car direto da vila, e continua nas pistas – que fica cheia de pontinhos coloridos e velozes – e nos bares e restaurantes nas estações. À noite, a badalação se transfere para a vila, que ganha uma energia diferente com a iluminação e as pessoas. Aliás, adorei essa parte também – porque se na montanha eu fiquei restrita à pista destinada à aprendizagem, já que não tinha habilidade suficiente para me arriscar mesmo nas “green runs” (pistas de principiantes), à noite Whistler é bem democrática!

E o que eu quero dizer com isso é: se você vem de casal, venha para Whistler. A cidade respira romantismo até dizer chega.

Se você tem família com crianças, venha para Whistler. Tem lojas fofas para os pequenos e um centro “kids” de atividades na neve e com o esqui que é uma fofura, e super cuidadoso com seus mini-hóspedes.

E se você é solteiro, bem… Aí venha para Whistler mesmo! O clima de flerte rola solto na rua e nos bares, e cá para nós, ô terra para ter gente bonita. Ô lá lá. 😉

Pontos positivíssimos: a conveniência. O cable car que leva às montanhas Whistler e Blackcomb sai direto do centro da vila de Whistler – ou seja, não é preciso alugar carro nem dirigir até o pé da montanha. Aliás, Whistler é para se circular a pé ou sobre esquis, no inverno: além da facilidade de se ir ao pé da montanha, toda a cidade é formada por ruazinhas simpáticas, que abrigam lojas, bares, restaurantes de primeira (especialmente o Bearfoot Bistro) e noitadas aqui e acolá, que a gente acha facilmente à noite – basta seguir as luzes e os sons. Melhor ainda? Há rotas de ônibus (quentinhos e com wifi) que ligam os hotéis da cidade diretamente com o centro e o aeroporto de Vancouver. Nem alugar carro você precisa.

Esquiadores experientes vão adorar: além te ter vários runs bacanas espalhados em toda a montanha (e com um super visu ao redor), foi lá onde aconteceram as Olimpíadas de Inverno de 2010. Ah, e temporada de esqui por lá vai se esticar até março – época em que os preços caem em comparação a fevereiro.

Veja opções e preços de hospedagem em Whistler aqui.

Por outro lado, a badalação de Whistler é proporcional aos seus preços. Fazer compras lá é meio salgado e o preço das aulas e aluguel também. E se por um lado eu achei fantástica a estrutura de aulas de esqui para crianças – vi dois instutores ensinando um menininho de 2 anos e meio, com uma super atenção – eu particularmente não curti muito a área de aprendizagem para adultos. Ok, isso é uma opinião totalmente pessoal (e eu confesso que continuo na categoria “prego” com esquis), mas o terreno não ajudava muito, e mesmo com a instrutora sendo extremamente atenciosa, não sentimos (opinião do grupo em que eu estava como um todo) muita evolução não.

aulas de esqui para crianças

Ou seja, acho que Whistler é uma ótima opção para famílias, casais, esquiadores e snowboarders experientes e quem já se virando bem nas pistas de principiante, pois podem aproveitar as “green runs” das montanhas – mesmo principiantes podem encontrar pistas para eles no topo da montanha. Quem tem filhos pequenos, vale muito a pena colocá-los para terem aulas aqui. Mas – e isso foi a minha opinião – quem parte do zero pode levar um tempo para se adaptar à pista de iniciantes de lá (nesse quesito, eu gostei mais de Banff!).

[alert style=”2″]

Whistler em números

Preços das aulas: os valores começam em $139 o dia de aula, sem considerar aluguel do equipamento e passes, e apenas para o período de desconto. Depois, o valor sobe para $199 e $215 (alta estação). Aulas com aluguel e passes incluídos são a partir de $182.

(lembrando que os preços estão em dólares canadenses e são válidos para a temporada de 2013/2014. Para ter todos os valores atualizados, clique aqui.)

Aluguel de Equipamento: é todo feito online, onde o preço varia de acordo com os modelos (do iniciante ao expert), mas a reserva pela internet dá 20% de desconto.

Kit Snowboard (botas e prancha, sem capacete): a partir de $39,99. Veja opções aqui.

Kit Ski (esquis, poles e botas, sem capacete): a partir de $51,00. Veja opções aqui.

Passes: Os preços variam de janeiro a março e vão a partir de $98 (de 19 a 64 anos), $84 ( de 13 a 18 anos e acima de 65 anos) e $49 (de 5 a 12 anos). Veja todas as opções aqui.

[/alert]

 

Banff

Gostou de Whistler? Então: Banff tem uma experiência completamente diferente. Primeiro, pela localização: a cidade fica dentro do Parque Nacional de Banff, o que faz do visual em si ser muito mais selvagem e, como diriam os canadenses, dramatic.

E toda a “drama” de Banff acontece por causa das Montanhas Rochosas Canadenses, que podem ser vistas da rua principal da cidade. E se a beleza de Whistler está no Whistler Blackcomb e na fofurice da vila, a beleza de Banff é mais natural e, até, selvagem.

Lado negativo: Para chegar da área de hotéis de Banff até as montanhas, é preciso pegar um transporte (não tem a parte da conveniência de Whistler nesse sentido). O transporte é feito por ônibus regulares, cujos bilhetes são vendidos nos próprios hotéis, ou alugando um carro – a menos que você esteja hospedado no Sunshine Mountain Lodge (o único hotel que fica dentro do Parque Nacional e ao pé da montanha, a melhor opção “ever ever” para quem quer passar a semana esquiando). Nesse caso, você pode optar em pegar um ônibus (linhas expressas ligam o aeroporto de Calgary aos hotéis em Banff, e transportes diários levam os esquiadores dos hotéis às estações de ski) ou alugar um carro direto do aeroporto de Calgary e fazer todo o trajeto por sua conta.

Mas a estrada compensa a conveniência, de tão linda. 🙂

Mas, talvez, seja esse o principal porém. Porque Banff é lindíssima em paisagens, especialmente nas estações, e ficar la é uma experiência fantástica – e, diga-se de passagem, mais barata que Whistler de forma geral (comprinhas e restaurantes). E outra vantagem importantíssima: a região recebe mais neve como um todo, de modo que as pistas são todas feitas daquela neve fofa e seca, naturalmente (Whistler já tem um algumas máquinas “fabricando” neve). O resultado: as pistas são mais gostosas de se deslizar – e são as preferidas de esquiadores experientes, e também é muito mais fácil  para principiantes praticarem!

Se você for para Banff, veja aí duas opções: o Lake Louise Ski Resort e o Sunshine Village. Peraí que eu explico:

O Lake Louise não tem a opção de pernoite (tem apenas uma acomodação, super cara e exclusiva), e quem fica por lá tem que ir e voltar à cidade de Banff todos os dias para se hospedar. Por outro lado, o resort tem uma ótima estrutura de aluguel de equipamentos e de instrutores, e a pista deles conta com mais neve, mais fofa e natural, sendo muito mais fácil para deslizar. A pista de aprendizado é larga e grande, e grupos de alunos conseguem ficar mais à vontade, o que torna a evolução nas aulas mais fácil.  E pelo menos no nosso caso, ao final do primeiro dia a gente já estava conseguindo descer a pista sem cair. 🙂

Fora o visual, lindão para qualquer lado que a gente olhasse! 🙂

Outra coisa legal: todos os dias, alguns grupos de instrutores saem com alunos de diferentes níveis de habilidade (separadamente) para experimentar novas trilhas. Um tour de graça, disponível para todos e que dá a chance de se praticar mais, e sem custo.

Já o Sunshine Village é uma vila para esquiadores e snowboarders no meio da montanha, e ainda conta com o Sunshine Mountain Lodge, que é um resort que permite a hospedagem (mas quem quiser pode aproveitar só a estrutura de esqui do Village sem se hospedar por lá). A experiência é única: é considerado o único hotel “ski-in, ski-out”, ou em outras palavras, você já entra e sai da recepção usando esquis, direto para as montanhas. Isso não é só figura literal: o hotel fica encravado nas montanhas, com uma vista belíssima de todo lugar. Ou seja, para esquiadores experientes, essa é disparada a melhor opção: com a hospedagem já nas montanhas, é possível acordar cedo e cair nas pistas nos primeiros horários da manhã, antes de chegar os outros esquiadores da cidade de Banff: ou seja, curtir a as pistas de “neve virgem” antes de todo mundo. O mesmo vale para quem gostaria de ter a experiência de esquiar à noite: uma lanterna na cabeça, seus pares de esqui e, se for noite de lua cheia, melhor. Segundo o diretor de lá, não raro em noites claras dá para ver um pouquinho de aurora boreal! Que máximo, não? 🙂

E quem vai com a família, especialmente com crianças pequenas, é uma boa pedida também: a área de crianças é bem interessante e conta com entretenimento, e os adultos podem esquiar o dia inteiro tranquilos de que as crianças estão em boas mãos – ou, ainda, deixar a esposa ou os pais relaxando no spa e na jacuzzi (quentíssima e a céu aberto de frente para as montanhas!) enquanto aproveita as montanhas.

[alert style=”2″]

Banff em números:

Ônibus diário de Banff até o Lake Louise e Sunshine Village: $10 só ida e $15 ida e volta

Lake Louise

Aluguel de Equipamento:

Kit Ski: $40,95 (adultos – cai para $37,95 se for aluguel por três dias) e $26,95 (crianças – cai para $23,95 por 3 dias). Veja mais aqui.

Kit Snowboard: $39,95 (adultos – cai para $37,95 por 3 dias) e $26,95 (crianças – cai para $23,95 por 3 dias). Veja mais aqui.

Aulas:  a partir de $129, excluindo os passes e aluguel de equipamentos, e $209 incluindo os passes e equipamento (importante: aqui, os capacetes estão incluídos no aluguel, e todos os valores mencionados são de diária).

Sunshine Village:

Aulas: $130 a diária, excluídos passes e aluguel de equipamentos.

Passes: $82 para adultos (19 a 63 anos), $65 (maiores de 65 anos), $63 (de 13 a 17 anos), $31 (de 6 a 13 anos)

Aluguel de Equipamentos: Kit Ski /Snowboard custam $40

[/alert]

Esta blogueira e jornalista que vos fala visitou o Canadá a convite do CTC – Canadian Tourism Comission em dezembro de 2013.

 

Comments

19 COMENTÁRIOS

  1. AMEEEEI a reportagem. Já fui algumas vezes ao Canadá… umas no verão, outras na primavera e 2 no inverno. Não conheço as estações de vancouver, mas sim as de Whistler e de Banff. Acho Whistler mas romantico para viagem de casal, mas acho disparadamente Banff mais interessante, mesmo porque além das 2 estações que estão por lá, sou apaixonada pelo astral e passeios na própria cidade de Banff.

    • Ana, minha preferida disparada é a de Banff! O astral e a beleza do lugar é impressionante! Vou falar mais de lá nos próximos posts, mas mesmo Whistler sendo mais famosinho, Banff é indiscutivelmente mais interessante, como você disse!

  2. Eu conheço as 3 . Contudo só fui 1 vez am cada e não dá para fazer uma escolha totalmente imparcial com uma única visita.
    Tive sorte em Banff as pistas estavam sem neve recente contudo ainda fofa e gostei da cidade apesar de achar cara para o que oferece. De fato é a mais selvagem e Calgary há de ser seu ponto de apoio pois ir de carro a Vancouver pode custar 2 dias dependendo do clima…comigo tive de parar em Kamloops após 10 hs. de estrada e diversas avalanches fechando a mesma em diversos pontos. Apesar de tudo fico com Banff pelas pistas e Experiência que tive bem favoravel.

    • Jorge, eu concordo com você: minha experiência em Banff foi bem mais apaixonante, é meu lugar favorito para esqui! E também assino embaixo: para ir para Banff é melhor pegar um voo até Calgary mesmo – de carro de Vancouver não é a melhor opção, especialmente nesses invernos rigorosos!
      Obrigada pela visita e pelo comentário! 🙂

  3. Clarissa, boa tarde!

    Excelente o seu post, parabéns! Estou indo para o Canadá em abril. O ski não será minha prioridade, mas pelo que pesquisei, as montanhas de Alberta ainda estarão abertas. Alugarei um carro em Calgary e irei até Vancouver, passando por Banff, Jasper e parando no meio do caminho (ainda não decidi onde) até Vancouver. Ficarei 3 dias em Banff, sendo 2 para ski (Sunshine e Lake Louise) e 1 para passear pela cidade. A dúvida é: alugo o carro já em Calgary, ou vou de ônibus até Banff, faço tudo por lá de ônibus e alugo o carro só na saída para Jasper, o que seria mais barato, porém, mais trabalhoso?

    • Paula, as duas opções são muito fáceis. De qualquer forma, em Banff você não precisa muito de carro porque a cidade é bem atendida com os transportes de ônibus, mega confortáveis, de ida e volta das estações. O mesmo acontece de ida e volta do aeroporto. Então, no fim das contas, a diferença vai ficar na ponta do lápis na hora de fazer as contas: Se a diária do carro (mais estacionamento, etc) for maior do que o custo de ônibus (quando eu fui era, mas acho melhor ver isso na temporada em que você for), fica a seu critério se vale a pena a diferença alugar ou não já em Calgary. Acho que esse vai ser o fator decisivo, no seu caso.
      Mas a verdade é que a estrada é linda que só, do aeroporto até lá. Então, também tem que considerar isso: você prefere ir dirigindo ou admirando da janela do ônibus?

  4. Boa tarde Clarissa! Amei seu post.. Está sendo uma delícia ler tudo sobre o Canadá por vc..rs
    Eu já sei esquiar, sempre vou para Chile ou Argentina.. Mas agora eu e meu Marido estamos querendo novos ares, e pensamos em ir para Whistler, o problema é que não falamos inglês fluentemente.. apenas arranhamos. Isso seria uma dificuldade?

    • Thayane, obrigada! Que bom que você está gostando! 🙂
      Olha, quem não fala inglês deve sentir alguma dificuldade sim (porque é normal que quem conheça o idioma se desenrole mais fácil), mas acho que não será nada que irá inviabilizar ou estragar sua viagem. Os canadenses são muito simpáticos (muito mesmo), o que ajuda bastante a contornar qualquer problema de comunicação. Mesmo que você só arranhe o inglês, acredito que mesmo assim vai conseguir se virar na parte básica como pegar um ônibus daqui para ali, fazer check-in em hotel e passear (só complica se você quiser fazer aulas de esqui, porque não sei se tem professores em outros idiomas). Ah, e por lá tem muito estrangeiro trabalhando: vimos muitos grupos de brasileiros, mexicanos, peruanos, etc. Então no fim das contas acho que você vai se desenrolar – e olhe, Whistler vale a pena, viu? 🙂
      Espero ter ajudado! 🙂 Tomara que vocês resolvam ir para lá mesmo, vocês vão adorar!

  5. Clarrissa, parabéns pela matéria! Terei uma semana de recesso entre o Natal e Ano Novo (2015/2016) e gostaria muito de conhecer uma estação de esqui no Canadá, além de ver a neve. Tirando os dias de vôo, terei 6 dias inteiros disponíveis por lá. Sendo assim, para eu otimizar meu tempo ao máximo, qual estação você recomendaria? Eu estarei acompanhada do meu marido. Obrigada! =)

    • Camila, difícil porque aí é gosto pessoal, né? 🙂
      Mas olha, se você me perguntar, eu amei – AMEI, com letras maiúsculas – a cidade de Banff. Não só as estações lá eram mais legais, como por estar nas Montanhas Rochosas, os passeios não relacionados a esqui também eram belíssimos (você pode alugar um carro e visitar o Lake Louise, percorrer as estradas com as montanhas Rochosas ao redor… e fora o esqui, mesmo!
      Fora que se você vai com o marido, é uma boa – eu achei Banff super romântico, super lua de mel, e voltaria fácil com o meu!

      Mas se você vai ficar 6 dias inteiros e gosta de mais animação, você pode ir a Whistler também, porque a estação de esqui é a mais perto da cidade, e a cidade em si tem várias coisas: restaurantes bacanérrimos, bares, lojinhas, cinemas…

      Vai depender do seu estilo. Mas eu acho que essas duas seriam as melhores opções…

  6. Olá Clarissa!!!
    Você saberia me dizer a melhor época para ir à Whistler? Gostaria de pegar neve porém com dias bonitos de céu azul como nas suas fotos… quando foi? Porque sabemos que esse destino é incrível até mesmo no verão, mas queríamos mesmo neve para esquiar mas também fugir dos meses mais chuvosos.
    Um super beijo e parabéns pelo post!!!

    • Oi, Carolina, tudo bem?
      Olha, a melhor época para ir a Whistler esquiar é de dezembro a fevereiro, mas os dias lindos de céu azul é meio sorte – nós ficamos lá por dois dias, e um dia foi o das fotos, lindo e com céu claríssimo, mas o outro foi bem fechado… então é sorte, o tempo é meio instável nas montanhas. Mas dito isto, em geral dezembro e fevereiro costumam ter menos precipitações. Isso ajuda?
      Eu não peguei chuva em Whistler, peguei só neve mesmo….

  7. Boa tarde, queria saber se em Novembro por volta do dia 10 já possuem neve nas estações mencionadas n post?
    Pretendo ir esta data para esquiar.
    Obrigada e seu post ajudou muito.

    • OI, Lina!
      Já começa a ter neve em novembro sim, mas não sei dizer ao certo se já é o suficiente para esquiar (o mais seguro seria fim de novembro, início de dezembro). Mas dito isto, o tempo tem andado bem esquisito nos últimos anos, e eles tiveram ano passado um inverno bem forte. Então não tem como bater o martelo definitivamente – mas uma aposta mais segura seria início de dezembro (inclusive, foi quando as fotos desse post foram feitas!).

    • Acho sim, eu fiquei dois em cada (porque estava a trabalho). Mas três aproveita-se mais.
      Se vocês são iniciantes (eu sou muito ruim no esqui!), vale a pena fazer aula nas duas estações, e praticar bastante. Particularmente, eu gostei de praticar em Whistler e em Bank, no Lake Louise (que é lindo, lindo, lindo!)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.