Que as melhores lembranças de viagem ficam na memória, não há duvida… Mas convenhamos: sempre tem uma ou outra lembrancinha que bate aos olhos como uma excelente recordação para se levar daquele lugar de que a gente tanto gostou. Aí você compra um, na próxima viagem compra outro, e quando se dá conta que a coleção já está formada.

São como um “check box” para confirmar sempre, para você e para os outros: eu estive ali.

Eu confesso: acho que já passei por todo tipo de categoria de colecionadora de souvenirs. Algumas eu cansei, outras já me desfiz, mas mesmo sabendo que o que a gente leva da viagem é a experiência, concordo que tem vezes que falta algo mais palpável.

Então pergunto (para saber se eu não sou a única): você é desses(as) que gostam de colecionar lembrancinhas? Me conte: o que você mais gosta de levar? E porque?

Ah, em tempo: nem mencionei a categoria “fotos” aqui. Achei que perguntar isso a um viajante seria a mesma coisa que perguntar se o que o macaco mais gosta de comer é banana…

 

Ímãs de geladeira:

Imãs de geladeira: os preferidos dentre os caçadores de lembranças de viagem!

Disparado, os queridinhos de todos os viajantes. Coisa que até os vendedores de imãs perceberam: já repararam como os destinos em geral estão oferecendo opções bem divertidas de imãs? Aí uma coisa que era apenas um souvenir de lembrança acaba sendo item de coleção que, diferente do pinguim da geladeira, os ímãs nunca ficam sozinhos!

Conheço aficcionados (e até certo tempo atrás eu me incluía), cuja coleção já cresceu tanto que os ímãs úteis de ordem prática do cotidiano, tipo o telefone do táxi, da farmácia e da pizza delivery já foram jogados para escanteio. Mas o nada prático e super lindo “New York, New York” tá ali, muso e digno, cheio de destaque na porta da Brastemp!

Vantagens: A principal é não ocupar espaço. Fácil de levar e barato. E decoram. E, principalmente – o motivo mais inconsciente, inconfesso e imbatível – matam as visitas de inveja na hora que elas vão te visitar e resolvem filar da cerveja da sua geladeira!

Desvantagens: Em alguns deles, o imã é cortado de uma forma que “marca” a geladeira. Já tiveram um desses? E outra é que alguns imãs são feitos de uma espécie de resina (acho) e, numa queda sem querer, acabam quebrando e perdem a graça.

Mas aí é um motivo ótimo para você voltar lá só para comprar outro…;)

 

Souvenirs em geral (badulaques, cacarecos, etc)

Cacarecos de viagem: às vezes, são irresistíveis...

Todo destino turístico que se preze tem uma lojinha cheia desses na prateleira, e todo viajante, por mais desapegado dos bens materiais que seja, em algum momento da vida parou numa para comprar alguma coisa. Só que a coleção começa assim: primeiro você compra um, unzinho só, para enfeitar a mesa do escritório do trabalho e você olhar e lembrar das férias. Mas aí, na próxima viagem, você já traz outro. E outro. E quando vê, os souvenirs já estão lá, uma turma de cacarecos, disputando espaço na sua mesa com os papéis…

Isso porque eu nem mencionei os que a gente ganha de terceiros. Da coleção de porcelana pintada que a tia trouxe lá de Friburgo, por exemplo…

Vantagens: “Ahhhh… Mas tem uns que são tão fofos, né?”…

Desvantagens: “Isso é uma maravilha para juntar poeira, isso sim”…

Mas confesso. Falei, falei, e tenho um monte desses. Afinal, tudo o que tem a ver com viagens sempre exerce um certo fascínio…

 

Bottons:

Olho para alguns e já os imagino presos numa mochila jeans. Logo, acho que eles são diferentes, estilosos, representam mais uma atitude e/ou uma identidade jovial do que um souvenir por si só. Mas, não sei vocês, mas eu acabo ligando isso muito à tempos de estudante, adolescente, com seus jeans e mochilas pendentes no ombro, energia demais e preocupações de menos. Resumindo: os bottons, em si, acho o máximo. Uma criatividade só. Mas eu nunca mais comprei. Acho que já passei do tempo.

Vantagens: Bacana, divertido, “super in”, “super cool”, “super up-to-date”… Junto com o jeans e as camisas com dizeres, faz “super” parte de uma “super” atitude de uma galera “super” jovem e “super” antenada.

Desvantagens: Espeta. Perde. Às vezes, ao mesmo tempo.

E aí um dia você de repente você cresce e isso tudo vira só um bando de alfinete. Aí, você pára de colecionar. Mas continua secretamente apreciando em silêncio.

 

Livros

Você viaja para o Egito, se apaixona pela comida árabe (a autêntica)... Por que não levar as receitas e tentar reproduzir em casa o sabor da viagem?

Nem sempre dá para levar porque são pesados. Mas tem uns que até dá vontade. Especialmente os de fotos, com imagens que você não conseguiria tirar porque é proibido (no Egito era proibido levar máquina fotográfica aos museus e templos. O negócio era se contentar com os livros) ou porque o tempo não estava bom e não deu para fotografar “aquela” paisagem. Ou, ainda, aquelas edições especiais que nem a Amazon ou o Google te ajudam de novo… E quando a paixão pela capa rola, a gente até considera separar um espaço a mais na mala…

Vantagens: São títulos que as vezes nada nem ninguém te ajudam a encontrar de novo. Tem o gostinho da cultura do país no folhear das páginas. Tem, às vezes, as fotos que você não conseguiu tirar. Tem receitas daquela comida deliciosa que você experimentou, e nem o Google te ajuda a saber como fazer exatamente daquele jeito. E, principalmente, tem toda aquela magia que livro normalmente tem (e quem é aficcionado por livros entende!).

Desvantagem: Pesa na mala. E como.

 

Moedas:

Moedas: quanto mais diferentes, maior o valor para a gente. E o valor monetário não tem nada a ver com isso...

Confesso não ser muito fã de moedas (normalmente perco) e porta-moedas não é das invenções mais práticas da humanidade. Também é relativamente comum, entre viajantes, voltar os Estados Unidos, Argentina ou Europa com os bolsos cheios das benditas: ficamos guardando tanto para as gorjetas, estacionamentos, lanches e qualquer outra coisa que precise de dinheiro trocado, que no final pode acontecer do dinheiro virar trambolho, que você não pode mais trocar como gostaria e só serve para fazer barulho e peso no bolso. Nessa hora a gente nem pensa em souvenir – pensa em prejuízo.

Mas o que dizer de uma moeda de uma libra egípcia, com a efígie da máscara mortuária de Tutankhamon gravada, ou os desenhos maoris das moedas da Nova Zelândia? Acaba que o valor de uma moeda tem mais a ver com o quão diferente (ou longíqua, ou exótica, etc) a viagem foi para você. E o valor monetário da moeda dá lugar a outro tipo de avaliação, essa sim pessoal e intransferível, bem mais interessante..

Vantagens: Não precisa sair para comprar, pesquisar preço… Invariavelmente você acaba a viagem com algumas dessas na mão.

Desvantagens: Nada no mundo foi produzido com as dimensões tão perfeitas para serem perdidas como as moedas. Logo, acaba sendo um troço meio chato de guardar.

 

Artesanato:

Artesanato: A gente ajuda a mão de obra local, incentiva a arte, aquece a economia... Mas não é sempre que dá para comprar...

Taí uma faca de dois legumes. Porque artesanato é típico, carrega em si uma identidade daquele local e ainda é fonte de renda do artesão – logo, sua compra ajuda a aquecer a economia de lugares turísticos menos favorecidos, por exemplo. Por outro lado, me parece que aconteceu uma espécie de produção em escala industrial dos artesanatos: todos são feitos e entregues iguais (inclusive com os mesmos defeitos, por vezes), quebrando aquele ar de exclusividade, de pequena obra de arte. E, por que não dizer, muitas vezes uma “madeinchinalização” dos itens. Acabaram os lenços rendados feitos pela tia da praia – agora eles vem, com os mesmos desenhos de coqueiro, de Taiwan.

Por outro lado, quando o artesanato é exclusivo, toma status de objeto de decoração, e o preço inflaciona sensivelmente. Nada mais justo: é o talento do artista de que estamos falando. Mas aí já tivemos que rever o orçamento.

Considerações à parte, convenhamos: alguns são uma obra de arte mesmo, não? Certa vez comprei uma tela à óleo de um artista de rua francês com desenhos de bares franceses. Não foi barato – mas os outros bibelôs que eu tinha de lembrança da cidade já se foram. Esse ficou.

 

Camisas, bonés ou… relógios!

Coleção Relógios da Swatch: cada grande cidade tem um modelo exclusivo.

Sou do tipo que gosta de comprar camisetas dos lugares em que vou. Mas para quem também gosta de misturar moda com viagem,  descobri outro dia isso aqui, e achei bem legal: a Swatch tem umas edições especiais de relógio com desenhos de cidades. Nova York, Las Vegas, Paris, San Francisco, Londres – são vários modelos, e você pode ir colecionando à medida que for visitando as cidades. Chique e viajado toda a vida!

Concordo:  é a coleção de lembranças de viagem mais cara deste post. Mas seguindo a lógica de que o tempo é dinheiro, dinheiro é poder, poder é prazer e prazer é viajar, então… Bem.. Ah, deixa pra lá.  São lindos os relógios, né?

 

E vocês? Coleciona lembrancinhas também? Se não, me conte: qual o souvenir de viagens mais diferente que você já comprou?

Comments

43 COMENTÁRIOS

  1. Adorei o post Clarissa! Tb tenho em minha lista escrever sobre este tema.
    Acho que vc é muito mais colecionadora do que a gente. Mas vai lá: gostamos de trazer alguns ímas, POSTAIS (esqueceu de mencionar) e pequenos bibelôs BBB (bom, bonito e barato).
    Volta e meia trazemos livros, mesmo com o peso adicional, já que nesse quesito entramos na lista dos aficcionados!
    E por fim, inventamos na última viagem que para marcar cada MUSEU que fôssemos, iriamos comprar um lápis personalizado na lojinha do próprio museu. No futuro queremos expor todos dentro de um quadrinho tipo caixinha com vidro.
    Artesanato local é a melhor parte (e “trequinhos” de design), mas como disse, nem sempre a grana dá. Mas não tem como resistir algumas vezes… o que tá faltando aqui é uma ESTANTE para expor tudo o que já trouxemos!:-O 😉

    • Adorei a dica dos lápis personalizados da loja de cada museu! Como não pensei nisso antes?!?! Tira uma foto com eles e fala sobre isso no seu post tb!
      Postais também, esqueci de mencioná-los… Oops! Bom que os comentários vão enriquecendo os posts, né? Fica para a próxima!
      Tive minha fase mega colecionadora. Tive quase todos, os bibelôs, livros, ímas… mas o problema era exatamente a estante para guardá-los! Durante muito tempo tive uma prateleira para esse fim, mas acabei deixando para lá (quando espaço vira luxo) e hoje opto pelos mais práticos, como ímas mesmo. Mas confesso, como você que é só ver um livro bacana que já vou mudando de idéia!

  2. Adorei! Colecionamos imãs, mas não é em todos os lugares que encontramos bonitinhos… mesmo assim compramos. Queria ter feito coleção de livros (um livro bacana de cada local), tenho uma amiga que coleciona e é uma deliciosa viagem ir a casa dela e folheá-los. No começo de nossas viagens achei que seria peso demais para carregar, e de fato é, mas é bem bacana.
    Postais, sempre trazemos muitos…

    • Oi, Bia! Concordo, não é em todo lugar que achamos uns bonitinhos, mas em compensação, tem cidades cujas opções de ímãs deixam a gente super na dúvida!
      Me descobri apaixonada por livros em viagens recentemente. Nunca os trouxe por causa do peso, mas de fato, parece que é o mais gostoso de curtir depois. Como você demora um tempo folheando, parece que o prazer e a lembrança da viagem prolonga mais um pouco, né?

  3. Eu bato recordes em ímãs e cacarecos. Nem sei mais qual é a cor original da minha geladeira. Também faço questão de ter um barquinho típico de cada lugar (em miniatura, claro) 😉

    • Camila, essa eu comprei naquela feirinha de cacareco que tem bem do ladinho da estação de trem de Águas Calientes. Mas de fato, fiquei rodando por lá até achar! Veja se tem algum amigo seu que vá por aquelas bandas, e peça para ele dar uma olhada nessa feira. Porque em Cusco eu também não achei nada!

  4. Eu adoro trazer os globos com água de souvenier . Amo muitos , o problema é ter que embrulhar e coloca-los na mala , dá um medo danado de quebrar mas é impossível a imigração deixar passar por causa do líquido dentro. Vi um monte sendo deixado na caixinha depois de passados pelo raio-x . Muita dó dos turistas.

    • Sério, a imigração para os globos por causa do líquido? Até onde eu sabia eles só implicavam com líquidos acima de 100ml, e tem globos tão pequenininhos… Nunca vi um desses na máquina do raio x, mas de fato, eu teria uma pena absurda dos turistas tb!

  5. Adorei o post!! Afinal qual o viajante que não adora um souvenir? Acho que nunca vi um.
    Para variar um pouco aqui em casa tenho pelo menos um imã de cada lugar… Adoro passar pela cozinha e lembrar dos lugares que comprei, onde comprei e etc.. Sempre procuro trazer algo com uma figura típica.. Adoro mesmo…
    Os bottons também viraram constantes nas viagens… adoro!! Tem um mais lindo que o outro (tenho o da bandeira da NZ igual ao seu!) … apesar de não usar eles… guardo bonitinhos um caixinha lindinha… Adoro abrir e rever a estória deles!! Trago dos shows, museus, bandeiras (adoro!!!) e etc.
    As moedas são as únicas que trago desde a primeira viagem internacional de fiz. Trago 1 de cada valor de cada país e só! Guardo em um potinho do lado do meu Buda chinês virado para a porta de entrada de casa… Dizem que dá sorte! Não custa tentar né?!
    E também procuro trazer algo legal para usar em casa mesmo… Acho legal servir chá em bules e xícaras chinesas ou dar um cheirinho na casa com essência tailandesa, por exemplo. Acho bacana!!
    Beijos
    Cris

  6. Minha listinha: canecas, camisas, ímãs e aquelas tralhas de banheiro de hotel (shampoo, condicionador, touca, sabonetes, kits de costura, etc) ahhahahahaha… qq dia tomo coragem e posto uma foto pra vcs verem tb, rsrs

    Um amigo meu colecionava rolhas (pq ele adora vinho) e fósforos (pq ele fumava). São coisinhas legais tb.

    Bjs, e adorei o post! 😀

  7. Oi Clarissa,
    Também passei uma fase meio em dúvida do que colecionar, trazia um monte de cacarecos, mas foquei nos ímãs de geladeira. Agora tenho um quadro na minha estante, junto com os guias. Vou postar uma foto mo twitter pra vc ver.
    E agora a nova coleção será de livros. Fiz um móvel e tudo pra eles. Tô precisando viajar pra começar essa!

  8. Oi Clarissa,

    Adorei o post, principalmente a idéia do relógio =D
    Comecei a colecionar lenços e echarpes das minhas viagens. Além deles deixarem o visual legal, é bem prático traze-los na mala pois não pesam muito e não tem o perigo de quebrar.

    Bjs.

  9. Adorei o post, e confesso que sou viciada em trazer alguma coisinha, tanto que sempre deixo espaço na mala já pensando no “achado”, mas gosto de trazer sempre um produto típico da região, feito por locais, que vai ter sempre uma história por trás além de ajudar a comunidade a qual visitei. Imã é sempre uma opção bacana mas o meu item indispensável e que também vai pra cozinha é pano de prato! faço coleção deles e ocupam um espaço bem pequeno na mala.

    Bjo

  10. Ahhh!!! eu coleciono pinguins!! Onde vou saio procurando pinguim… Tenho de mais de 20 países, não só dos que eu conheço mas de amigos que trazem para mim… A coleção ja ultrapassa os 250 bichos… de louça, plástico, metal, pelúcia, mosaico, gesso, por aí vai… Meu olhar já é treinado para achar o bichinhos em qualquer lugar no mundo! Não é facil mas dificilmente não encontro um.

  11. Show de bola esse post.
    Eu sou viciado também. Antes era só cacarecos, mas depois consegui convencer minha esposa a trazer ímãs. Sofremos hoje com espaço para os cacarecos, até porque temos mudado muito de residência, mas não consigo visitar um lugar sem trazer um.

  12. Muito legal! Já colecionei moeda, imas, livros de turismo, artesanato, roupas tipicas (danca do vntre, sari, etc). Mas já cansei de tudo e ocupa muito espaço, no momento coleciono jóias. 😀 e não são tão caras assim mas adoro a idéia de ir para trabalhar usando o relógio de Paris, anel de prata da Grécia, pulseira do México, colar e brincos do Egito. 😀

  13. O que eu trago de todas as cidades que visito são copinhos, aqueles de cachaça…tenho uma prateleira cheia, são pequenos, não pesam e nem ocupam muito espaço…

  14. imas, sim, todo mundo os amam…cartão postal,canetas, bottons….mas sabe o q eu gosto tb? aqueles patch pra colocar na mochila, malas, eu tenho de praticamente todos os paises q passei e quero mais, adoro bandeiras tb!

  15. OLÁ CLARISSA,OLHA EU COLECIONO PEQUENAS LEMBRANÇAS DE VIAGENS TENHO POUCAS DE VIAGENS E MUITAS AQUI DA MINHA CIDADE (CURITIBA) POIS PARA MIM SAO AS MAIS LINDAS , ADOREI SUA COLEÇÃO , GOSTARIA DE SABER SE HÁ ALGUM ITEM QUE VC VENDERIA , EU GOSTARIA MUITO DE FICAR COM UM.OLHA MUITO OBRIGADO MESMO POR NOS DEIXAR VE-LAS , MUITO BOM , UM ABRAÇAO

    • Olá, Fabrício! Fico feliz que tenha gostado do post – adoro saber as histórias de souvenirs que as pessoas tem, e foi muito bacana lançar esse post com essa idéia e receber tanto feedback! Mas o ruim é que essas lembrancinhas do post foram as únicas que restaram, sobreviventes de algumas mudanças seguidas e mau jeito na hora de embalá-las… Então, cada uma tem um certo valor emocional (e eu ainda sou meio apegada a essas coisas). Você não fica chateado não? :S

  16. Adorei seu post. Aqui nos temos várias coleções ímãs, chaveiros, lápis, borrachas. Mas o xodó é os copinhos de cachaça. Não só temos os que compramos nas viagens mas também muitos que ganhamos. Fizemos um Blog para mostrar nossas coleções de souvenir. Veja: criativascolecoes.blogspot.com/‎.

    Abraços,

    Magda

  17. Gente, estou colecionando os famosos pratinhos de lembrança de viagem, entretanto, há lugares que visitei e que não encontrei nenhum exemplar para comprar. Nas cidades litonâneas de Guarujá, Santos e São Vicente não consegui encontrar nenhum! Ontem também fui a Guararema e também não achei. Andei muito e nada! Algúem sabe de locais nessas cidades em que poderia encontrar?

    Abs.

  18. Gostei muito de ter encontrado esse espaço de pessoas que pensam e vivem os mesmos gostos.
    Estou a procura de alguma loja, física ou virtual , com objetivo de aumentar meus cacarecos rrsss.
    Sempre trago copinhos e garrafinhas de bebidas dos lugares visitados . Agora resolvi montar uma parede na minha sala com os “brasões” , ou bandeiras , ou símbolos típicos dos Países visitados e, não terei condições de retornar para comprá-los pessoalmente .
    Alguém teria alguma dica para este colecionar de souvenir

    • Olha, Henrique, difícil, hein? Mas se você quer especificamente brasões, o melhor mesmo é sair encomendando de quem viaja ou ainda, tentar em lojas típicas dos países que te interessa. Só numa pesquisada para tentar te ajudar, agora, eu vi alguns sendo vendidos no Mercado Livre, acredita? Ou, acho, em antiguidades! Mas, acredito, o mais legal é você ter ir comprando mesmo aos poucos – aí sempre um brasão vai te lembrar de uma determinada viagem, sempre é mais legal do que sair encomendando.. Mas você pode tentar essa alternativa de achar em lojas típicas dos países que você gosta, ou sair procurando pela internet.

  19. Já trouxe muitas canetas, canecas, imãs, livros, abridores de garrafa, postais e os tais cacarecos, que prefiro chamar de miniaturas hehehe Minha vó tinha uma coleção de miniaturas de cristal (não relacionadas a viagem) e quando o pessoal da família começou a viajar, começamos a trazer alguma lembrancinha pra ela, sempre uma miniatura do lugar que fomos e daí comecei a minha coleção tb.

  20. Os meus preferidos são itens de decoração mesmo. Fico com dó de usar as lembrancinhas de viagens no dia-a-dia então tenho um cantinho reservado só pra isso. rsrs Tem garrafinhas da Coca-Cola, calendário maia, calendário de Puerto Madryn, sombreiro mexicano… rsrs Engraçado que não tenho nenhum imã de geladeira!
    Postei as minhas lembrancinhas de viagens aqui: http://www.revistadeviagem.net/?p=9507

  21. Eu me encantei com um imã emborrachado que comprei quando fui ao Chile há muiiiitos anos atrás e disse: “poxa, não Brasil não tem nada assim, colorido, design simples, inquebrável. O encantamento pelo imã, depois de anos, se tornou uma oportunidade de negócio. Passei bons meses procurando fornecedores de qualidade e finalmente achei. No final de 2011, juntamento com 2 amigos, oficializar a abertura de uma empresa e uma marca de souvenirs chamada Brazilian Wave – souvenir do Brasil que cria e distribui souvenirs temáticos para o mercado Brasileiro.
    Hoje souvenirs virou uma paixão e uma doença ao mesmo tempo. Não consigo me desligar de nada e só penso nisso 24h/dia. Sempre pensando em designs, novos produtos etc e tal. Hoje fornecemos souvenirs para lojas e quiosques. Estamos tentando mudar a mentalidade dos revendedores de que os souvenirs no Brasil podem ser melhorados e muito, e que é preciso praticar um preço justo.

    Esperamos em breve ser reconhecido com o maior distribuidor e criador de souvenirs do Brasil.
    abs

  22. Moro em Curitiba e adoro viajar. Das viagens internacionais sempre trago como lembrancinha as bolinhas de água. Acontece que a lembrancinha que trouxe de Roma quebrou e eu queria restaurá-la. Gostaria de saber se alguém conhece algum lugar que faça esse trabalho. Só quebrou o vidro. A base esta intacta. Se alguém souber, por favor me indiquem.

    • OI, Luceny, seu comentário já está aprovado! Só que, infelizmente, não sei como te ajudar. Talvez um vidraceiro ou alguém acostumado a trabalhar com esses materiais?
      EM último caso, você pode tentar pedir que algum conhecido que vá a Roma traga um idêntico para você.

      • Olá! Clarissa! Até agora ninguém que eu conheça tem planos de ir a Roma! Continuo procurando quem possa auxiliar… Obrigada pela atenção!

  23. Olá, belo post. Sou fã de trazer cacarecos, mas lugar para expor está complicado, na última trip só trouxe os de sempre, botton, postal e chaveiros, são leves, baratinhos e fáceis de encontrar. Agora estou vendo como organiza los. Queria expor em algun quadro de cortiça ou algo parecido. Os postais vou tentar fazer um scrapbook com eles e entradas e mapas dos lugares.
    Beijos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui