Cinco dias (ou, se você otimizar muito o roteiro, quatro): esse seria o tempo suficiente para você aproveitar este cantinho, na minha opinião.
A sugestão de dias não é mero pitaco: Cusco é uma gracinha de cidade e é a base para você conhecer os arredores, como o Vale Sagrado e as ruínas bem pertinho dali.

Cusco: a cidade que mais tem lhamas inseridas na paisagem. Como não amar?

Só que quando eu digo cinco ou quatro dias, eu incluo no meio disso pelo menos um pernoite em Águas Calientes, que é a melhor alternativa para você conhecer Machu Picchu com tempo – e eu explico isso tudo bonitinho neste post.

Isso, claro, não é nenhuma regra absoluta: você pode esticar quantos dias quiser em Cusco durante a sua viagem. Mas eu estava pensando em como fazer esse post para poder te ajudar no planejamento da sua viagem, com base no que eu fiz por lá e amei.

E como eu não conheço melhor forma do que mostrar na prática, preparei esse resumo com meus pitacos combinados das duas vezes em que visitei a cidade.

Espero que ajude! E se pintar uma dica – ou se você tiver uma sugestão poderosa – me manda aí nos comentários? 🙂

Montando o seu roteiro

Particularmente, acho que cinco dias é a quantidade de tempo ideal para Cusco, considerando que você, como todos nós mortais brasileiros, dispõe de um tempo limitado de férias que geralmente é bem menos do que a gente gostaria.

Então, eu sugeriria você organizar a sua viagem desse jeito aqui, ó (que foi como eu organizei a minha na primeira vez que fui para lá):

“Ah, Clarissa, obrigada, mas eu não tenho cinco dias, só quatro. Dá para curtir Cusco em 4 dias?”, você me pergunta.

Dá sim. Fiz uma versão enxuta power plus para você! 🙂

Eu coloquei legendas das atividades e como separei o roteiro de cada dia. Claro que muito das atividades não fazem diferença se forem mudadas de um dia pra o outro (por exemplo, deixar as compras para o primeiro dia e o city tour para o último) mas deixa eu explicar porque eu fiz assim e achei que foi a melhor forma.

Primeiro dia

City Tour: Diferente de um passeio pega-turista, acho que o city tour em Cusco é fundamental para dar um contexto na importância histórica de Cusco – que foi a capital do Império Inca e onde os espanhóis mais pintaram e bordaram. Fazê-lo logo no comecinho (recomendo mesmo de manhã) já te ajuda a mergulhar no universo inca e ajudar a ver e entender muito melhor o que você vai ver nos dias seguintes. Vale avisar que o passeio é feito de van, e mesmo rolando uma caminhada, não é algo muito cansativo.

Ele dura metade de um dia – recomendo acordar cedo e fazer de manhã – e começa da Igreja de Santo Domingo, ou Qoricancha, templo onde ficava o imperador inca e que foi destruído pelos espanhóis para dar lugar a uma Igreja.

Até hoje vê-se muito bem a herança das duas culturas – até porque vários terremotos assolaram a região, destruindo tudo o que os espanhóis construíram, mas deixando as estruturas andinas ali, intactas (que eram feitas para atenuar os efeitos dos abalos sísmicos). Chupa essa, espanhóis! 😛

O jardim da Igreja de Santo Domingo, com a vista do centro de Cusco ao fundo: visita obrigatória! 🙂

E depois parte-se para as ruínas de Saqsaywaman, onde era o templo religioso dos incas (e é bem bacana), Q’enqo, Pukapukara e Tambomachay.

Nesse dia veio um rebanho de lhamas soltinhas passear por Saqsaywaman (ao fundo) com a gente! 🙂

Um boleto turístico é entregue ao visitante para visitar as atrações, onde ele vai marcando cada uma delas.

Uma dica: você pode fazer o tour por conta própria – basta comprar o bilhete e combinar o valor com um táxi – mas vale muito a pena fazer com um tour, com guia incluído. A história da região é super rica e a presença dos guias é excelente para explicar à gente os detalhes de cada lugar e nos fazer ver a importância das ruínas; senão parece que é tudo um monte de pedra! 😛

Dica de agência: não gostei (e nem lembro quem era) do guia da minha primeira vez em Cusco, mas da segunda vez fomos com a agência peruana Viajes Pacífico, que tem guias em português, super atenciosos e queridos! Você pode mandar um email direto para eles em português fechando o tour que eles respondem! 🙂

Almoço: Comida no Peru tem um status de programa à parte, porque é muito bom! E onde eu sinalizei com garfinhos e facas são os dias e ocasiões que você pode se permitir aventurar-se num dos restaurantes ótimos tanto de Cusco quanto de Águas Calientes (mais embaixo eu dou dicas de onde vocês comerem).

Dica de restaurante: Em Cusco fomos no MAP Café, que fica dentro do Museu de Arte Pré-colombiana. E faço aqui um desabafo nada tendencioso: vocês TEM que comer lá!!!

Sério: eu nem vi quem era o chef, mas depois da sobremesa eu tava pensando seriamente em ir lá na cozinha propor casamento para ele na hora….:P

Outro restaurante que fomos é o Mishti Meshtizo, que fica dentro do hotel Aranwa, na Calle San Juan de Dios, 255 (perto da Plaza Regocijo e a duas quadras da Plaza de Armas de Cusco). O hotel chama a atenção pelas obras de arte barroca espalhadas pelos corredores, mas o restaurante é bem gostoso. Foi lá que a gente conseguiu experimentar o cuy (o porquinho da índia): ele serviu para a gente uma panqueca com a carne do bichinho, que aliás é bem gostosa. Se não te contarem que tem o ratinho ali dentro, você come e nem sente!).

Passeio pela cidade: Se vocês forem comer no MAP Café, aproveitem que já estão ali no Museu de Arte Pré-Colombiana e dêem um rolê por lá. Ou pelas ruas de Cusco, cujas construções me lembravam muito a Toledo espanhola. Ou ainda aproveitem para conhecer as Igrejas da cidade.


Cusco é bem bonitinha mesmo e merece uma voltinha sem pressa (e digo sem pressa mesmo, porque muito provavelmente a altitude não vai deixar você sassaricar demais…Use isso como motivo para curtir as coisas com mais tempo!).

Cusco vista do alto.

Noitadinhas básicas: Para quem curte noite e barzinhos agitados, eu super recomendo aproveitar a noite de Cusco, que é bem animada e barata – a entrada é gratuita e você só paga o que consome. Particularmente, eu gosto mais da Mama África, que também tem a fama de ser a melhor boate da cidade (e continua de pé, linda e forte desde 2008, quando a conheci da primeira vez que fui), só que hoje também tem a Mythology, que é mais novinha e que tá disputando a concorrência.

Dá para curtir a noitada todo dia para quem tem energia (coisa que eu fiz da primeira vez que eu fui, mas nem cheguei perto da segunda, acho que a idade está chegando). De qualquer modo, acho que vale a pena ir conferir – não custa (literalmente) nada! 😉

Segundo dia

Passeio pelo Valle Sagrado: Eu expliquei neste post aqui 3 formas de se chegar a Machu Picchu, e uma das opções é aproveitar este tour que passa em Ollantaytambo para de lá pegar o trem para Águas Calientes. Há ainda a opção de dormir em Ollantaytambo, que tem pousadinhas charmosíssimas como o El Albergue, e de lá partir para Águas Calientes na manhã seguinte, bem cedinho. O gráfico da programação “enxuta” foi montado considerando essas duas opções, mas você pode fazer isso com mais tempo também (e esticar mais um dia em Ollantaytambo, para descansar!).

Dica: O passeio pelo Valle Sagrado passa por algumas feiras de artesanato, por Pisaq e por Ollantaytambo (explicamos melhor o que rola no passeio neste post) mas algumas vezes ele para também em Chinchero, que tem uma comunidade de tiazinhas tecelãs, que fazem na mão todas aquelas mantas peruanas bonitas e coloridas.

Tiazinhas tecelãs de Chinchero. Crédito da Foto: Nicolas Nazareth

Vale a pena você participar de uma demonstração delas, mostrando como elas tingem e fabricam os tecidos: por um processo super natural. Eu gostei muito!

Processo artesanal de tingir as lãs… Crédito da Foto: Nicolas Nazareth
…e agora com os tecidos tingidos! Crédito da foto: Nicolas Nazareth
A lã tingida e colorida, pronta para o tear! Crédito da Foto: Nicolas Nazareth

 

Só fica a dica: elas vendem os tecidos depois, e achei o preço meio caro – o que é justo, porque é um trabalho totalmente artesanal e é a forma de sustento delas.

Terceiro Dia

Não importa se você veio de trem direto de Cusco hoje ou se você pernoitou em Águas Calientes ou Ollantaytambo, o dia hoje é só de Machu Picchu. Aproveite! 😀
Leia: 10 Curiosidades sobre Machu Picchu para você amar a cidade antes de chegar lá

Só fica a dica de que o dia aqui é puxado: o pessoal que viajou de Cusco hoje vai aproveitar a parte da tarde de MaPi (pode pegar o pôr do sol) e pernoitar em Águas Calientes. Quem já tinha dormido em Águas ou Ollantaytambo vai aproveitar a visita na parte da manhã e já pelo meio da tarde está retornando à estação de trem de Águas Calientes para pegar o trem de volta.

Galerê todo reunido na volta de Machu Picchu para pegar o trem de volta a Cusco.

Leia também: Onde se hospedar em Águas Calientes: dicas para todos os bolsos

Quarto Dia (dependendo do seu roteiro)

Passeio em Águas Calientes: Uma manhã passeando por Águas Calientes não é algo que vai sacrificar seu roteiro se for eliminada (na versão enxuta, essa opção não existe), mas se você não estiver viajando com pressa e tiver uma manhã livre (muito frequente de acontecer por conta dos horários dos trens), você pode aproveitar para conhecer os mercadinhos e as termas da cidade – neste post aqui explicamos o que fazer por lá.

Mercadinhos de Águas Calientes!

Último dia

Compras no Mercado Artesanal de Cusco: Particularmente, achei o melhor lugar para se fazer compras na minha viagem ao Peru (mas considerando que eu só conheci Lima, Cusco e Machu Picchu, não sei dizer das outras cidades). É bastante variedade (e isso significa produtos com pouca, muita ou nenhuma qualidade), bons preços, negociantes dispostos a negociar (aceitam até real!) e caixa automático ATM ali dentro.

Aconteceu nas duas vezes que eu viajei de comprar coisinhas nessas lojinhas e vendedores espalhados nas atrações de Cusco e Peru e descobrir depois que eles me cobravam o preço três vezes mais caro que o do Mercado Artesanal. Por isso, eu sugiro deixar para o final mesmo: porque aí você já rodou todas as atrações, já escolheu mentalmente o que você quer levar, teve uma idéia de preço e agora é só escolher o que você vai levar para casa.

Ufa… acho que pus todas as dicas que eu sabia aqui – pelo menos do roteiro mais procurado de Cusco e Machu Picchu. Mas é aquilo: tem vários mini-povoados espalhados por essa região, e mil outros passeios escondidos que não falei (e que também não fui, mas o Peru que me aguarde que eu volto lá o quanto antes (espero!).

Mas já sabe: se você tem uma dica diferente, conta aqui para “nozes”? 🙂

Essa blogueira viajou para Cusco duas vezes. A primeira foi por conta própria e a segunda foi com a convite da Tam Linhas Aéreas e do Hotel Sumaq.

[box]

Mais informações para ajudar na sua viagem!

Onde se hospedar em Águas Calientes: dicas para todos os bolsos

 

E mais:

Como ir para Machu Picchu: 3 opções detalhadas partindo de Cusco

O que fazer em Águas Calientes, Peru (e se vale a pena dormir por lá)

Viajando de trem com a Inca Rail

8 motivos para visitar o Peru (e voltar amando!)

10 curiosidades sobre Machu Picchu para você amar a cidade antes de chegar lá.

[/box]

Comments

11 COMENTÁRIOS

  1. Clarissa amei! Super me identifiquei com tudo pois meu roteiro foi qse igual ao seu. Optei por fazer o city tour no final ao invés de no início, dormi em Aguas Calientes depois do meu passeio em Ollanta e no 6 dia curti Lima. Comecei a escrever agora os postos… aí que a gente vê que dá trabalho né?? kkkk Eu que demorei um ano (tsc tsc) pra sentar e escrever senti muito isso. Quero voltar de novo pra Cusco, que cidadezinha maravilhosa né??? Por mim eu volto e fico só lá nos bares de salsa e comendo aquela comida mara kkkkk

    Bjos!!!!

  2. Clarissa, estou bolando uma viagem de 10 dias para o Peru, tenho encontrado bastante coisa sobre a dupla Cuzco, Machu Picchu, porém quero incluir Lima nessa viagem, você poderia me dar algumas dicas se é possível ou se o custo sobe muito? Como que é ir de Lima até Machu Picchu e vice versa?

    • Rodrigo, acho que Lima merece muito a visita sim, eu adorei ter ido para lá e estou devendo um post de como fazer esse combo Lima-Cusco-Machu Picchu (embora, eu já escrevi alguma coisa aqui, dá uma olhada: http://www.dondeandoporai.com.br/21-dias-de-mochilao-pela-america-sul-os-deslocamentos/).
      Basicamente, você tem que ir de Lima a Cusco e voltar e avião (não vale a pena ir de ônibus, é quase um dia de viagem e a estrada não é boa… Fora a altitude, que faz ser facinho você passar mal na viagem). Se você vai fazer tudo saindo do Brasil, você pode comprar todos os trechos pela TAM, que tem parceria com a companhia aérea de lá e faz esse trecho – então, dependendo de quando você comprar, pode ser que saia mais em conta todos os trechos e você ainda acumula milhas num lugar só.
      Dica: você pode comprar o trecho para Lima, ficar uns 2 dias, depois pegar o avião para Cusco, ficar 4 ou cinco dias como eu falei no post) e depois pegar de Cusco o voo de volta a Lima (e direto para o Brasil, ou mais dois dias em Lima… fica a seu critério).
      Não dá para ir de Lima a Machu Picchu direto, é impossível. Você tem que ir de Lima a Cusco e de Cusco seguir as opções de roteiro para Águas Calientes (explicadas nesse mesmo post ou nesse aqui: http://www.dondeandoporai.com.br/como-ir-para-machu-picchu-3-opcoes-detalhadas-partindo-de-cusco/)

      Espero ter ajudado!

  3. Olá. Ficarei em Ollanta antes de ir a Machu Picchu, porem não possuo passaporte e o site de vendas das passagens de trem, não está aceitando minha carteira de identidade. Como devo proceder?

  4. Oi Clarissa, tudo bem? Obrigada pelas informações do roteiro! Acredito que irão ajudar muito na minha viagem. O City Tour com a empresa Viajes Pacífico você fechou em Cusco mesmo ou antes de chegar? Sabe me dizer onde posso encontrar eles por lá?
    Obrigada!

  5. Olá Clarissa,
    Primeiramente, parabéns pelo blog! Encontrei em minhas pesquisas sobre Machu Picchu e achei muito bacana.
    Irei viajar para Cusco em março, passando 6 dias por lá (sem contar o dia da vigem de ida e de volta, pois irá consumir quase o dia inteiro). O que você me recomenda acrescentar no roteiro? Vi que você comentou em outro post sobre valer mais a pena pousar em Ollantaytambo do que em Aguas Calientes. Vale a pena ir à Punno? Obrigado.

    • Oi, Ulisses, tudo bem?

      Então… Eu achei Ollantaytambo com opções mais charmosas e uma vista linda, e muita gente prefere para poder chegar em Águas Calientes no dia seguinte. Por outro lado, se você ficar em Águas Calientes, você pode chegar em Machu Picchu nos primeiros momentos do dia (antes de chegar todos os turistas) e ter a cidade mais vazia para visitar.
      Se você quiser fazer a visita com calma, você pode seguir o roteiro dos 5 dias e deixar mais tempo para curtir Cusco, por exemplo (que tem vários museus) e o mercado (que merece tempo). Até porque assim você se acostuma melhor com a altitude (que pode ser meio chatinha).
      Outra coisa: de Águas Calientes você pode conhecer os Banhos Termais de Colcamayo. Eu nunca fui, mas dizem que é bem bacana e melhor que as águas termais de Águas Calientes.
      Quanto a Puno: eu não fui (fui a Copacabana, na Bolívia), mas ouvi boas recomendações de lá. Aqui tem um post bom sobre como fazer esse trajeto: http://www.taindopraonde.com.br/2015/12/como-ir-trajeto-cusco-puno-peru-onibus-turistico-andahuaylillas-raqchi-raya-pucara-torito.html

  6. Bom dia . Olá Clarissa .parabens pelos roteiros. Estamos indo para Cusco em outubro com duas crianças ,uma de 9anos e outra de 12anos. Gostaria de saber se é tranquilo ir cedo para Ollantaytambo ,conhecer e à tarde subir para Águas Calientes ou fica muito pesado . Outra dúvida em relação a roupas ,tem chance de esfriar nesse período? Obrigado

    • Oi, Edison, tudo bem?
      Olha, eu acho que crianças adorariam Machu Picchu, mas acho que pode ser mais negócio ir a Ollanta e pernoitar ou ali ou em Águas antes de ir a Machu Picchu. Elas podem estranhar o ar rarefeito de Cusco e se cansarem mais rápido, então é legal ter um descanso entre Cusco e Ollanta para elas recuperarem. Mas isso é um conselho extra-cauteloso, especialmente porque seria legal ter os pequenos bem dispostos para curtir Machu Picchu, que esse sim, é um destino fantástico (e que pode cansar).
      Coloque um dia de descanso e aproveite Ollanta, por exemplo, que é bem bonita. Acho que as crianças podem curtir mais.
      Quanto ao frio, pode fazer frio sim, especialmente de noite, quando as temperaturas caem um bocado nas montanhas (mas em compensação é uma temperatura e um astral maravilhoso!)
      Espero que ajude!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.