Então: pra mim Spoleto sempre foi sinônimo de fast-food.

Mais do “fast” do que do “food”, porque tai um lugar que me dá uma agonia danada. Ficar na frente do vidro em frente aos “toppings” enquanto o rapaz do outro lado está de frigideira e óleo na mão, me perguntando peremptório “Qual o tempero? E depois? E depois?” já me faz me sentir culpada só por ter demorado 0,056 segundos para decidir que eu queria ervilha no molho sugo.

Resultado: da ervilha, só ganhei 4 bolinhas, mas já chego no caixa cansada da maratona mental de ter passado a fila toda pensando na lista de todos os temperos  na cabeça – e decorado, que é para falar bem rápido.

Ou seja, nada contra a rede brasileira, que tem os seus méritos. Mas o fato é que o conceito do “fast” destruiu o “food”. O que é um pecado mortal quando se trata de comida italiana.

***

E foi numa dessas coincidências da vida que eu fui parar na Spoleto original, que fica na região da Umbria, Itália, pertinho de Assis.

Como todas as cidades medievais da Itália, Spoleto é cheia de muros que protegem o centro histórico. E é devagar e deliciosa, para se conhecer degustando – completamente diferente da Spoleto brasileira.

Janelas de Spoleto

Duas coisas aprendi rápido sobre a cidade: e a primeira é que Spoleto foi (e ainda é) um importante pólo de estudo para as artes. Estão ali várias escolas de danças, teatro, música e artes plásticas, e já há tempos artistas e estudantes de todo o mundo vem estudar e treinar para suas performances aqui.

E não é que, curiosamente, uma das definições da palavra “espoleta” em português quer dizer “arteiro”, ou “aquele que vive fazendo arte”?

Ruas de Spoleto

O resultado disso? A cidade tem um quê de cor e irreverência em tudo quanto é canto. Uma delícia.

mesas de jantar de spoleto na Umbria Itália

Street art estencil Spoleto

Street Art em Spoleto

A segunda é que, por ficar no alto de uma montanha e em uma posição relativamente privilegiada, do alto de Spoleto é possível ver os contornos de outras cidades da Úmbria, como Perugia e Assis. Todas fofíssimas, aliás, e a apenas alguns minutos de carro.

Ah, e só porque já em perguntaram e eu resolvi atualizar no post: quem pensa em alugar carro na Itália pode pesquisar neste link algumas ofertas (vale ficar de olho, porque os preços são interessantes e em alguns casos rola um desconto para quem fechar pela internet!)

Vista da cidade de Spoleto - Itália

Vista da cidade de Spoleto do alto - Itália

E é de lá também que se visita um dos vários imponentes aquedutos romanos, ligando uma montanha e outra – e com um caminho lindo de morrer para se andar! 🙂

Aqueduto Spoletto

Aliás, fica a dica: aqui nesta cidade está algum dos caminhos por onde São Francisco de Assis andou em suas peregrinações – e um deles é este mesmo aqueduto, fazendo o mesmo percurso desta foto. Para quem gosta de caminhadas e meditações, eis um lugar!

Caminho Franciscano em Spoleto

Mas esse post é curtinho, porque curtinha também foi a minha visita… Um pouco mais de uma tarde, infelizmente. Mas foi  na hora certa: porque quando estávamos lá, acontecia o Festival de Dois Mundos, que toma conta de Spoleto todo ano em junho e julho, e envolve diversas apresentações de músicas clássicas e teatro, com artistas de todo mundo. Se a cidade já inspirava arte pelas suas vielas e corredores, ficava mais do que deliciosa ao ouvir música ecoando pelas portas!

Mas aí, você pensou: “Festival dos Dois Mundos? Nunca ouvi falar!”

Pois é, nem eu. Mas o pouco que conheci, deu para ver que não era pouca coisa. Tanto que até existe uma versão americana do festival que acontece todos os anos em Charleston, Estados Unidos. A cidade explode em arte: tem peças de Shakeaspeare, cinema, teatro italiano, ópera…

Confesso, porém, que bateu uma dúvida se as pessoas que vem do Brasil iriam curtir esse festival. Muitos dos nomes no programa eram desconhecidos para mim e as peças aconteciam na sua maioria em italiano, língua que muita gente não domina.

Eu, por exemplo, só falo “vino bianco” e “Vino rosso”. Geralmente é tudo o que eu preciso na maioria das vezes! :p

Mas a dúvida foi afastada, e da melhor forma: fomos assistir a uma apresentação de música clássica, lindíssima. E ao ar livre, na noite fresca e perfumada do verão italiano… Absolutamente apaixonante. 🙂

Festival de Música Clássica dos dois mundos Spoleto Itália

Ah, a maioria dos espetáculos acontece assim, ao ar livre. Aliás, o que adiciona muito mais charme à música: eu não consegui fotografar, mas ao fundo do palco víamos o relevo iluminado de uma parte das construções de Spoleto, que se exibiam amareladas e imponentes na noite!

Pois é, uma pena. 🙁 Mas para me redimir, eu gravei esse vídeo da apresentação. Que vai para vocês assim mesmo, na íntegra (porque eu tô temporariamente com limitações para editar). 😉

O Festival compreende apresentações como essa em diversos espaços da cidade, e entre eles, na praça principal de Spoleto, em frente ao Duomo da cidade (a Igreja de Santa Maria Assunta).

Catedral Spoleto praça central

 Aliás, independente do festival, essa igreja merece a visita. De preferência, com guia, porque a arquitetura dela é de uma lindeza só, com referência de vários séculos (coisa fácil de se esperar de uma Igreja na Itália).

Mas o motivo maior, na minha humilde opinião, é essa relíquia aí embaixo: escrita em italiano antigo e protegida por uma urna, é o único manuscrito original redigido por São Francisco de Assis – o próprio – para o Frei Leão, um de seus seguidores.

Carta de São Francisco de Assis a Frei Leão - Spoleto - Itália

E como se música, arte e história não fossem suficiente… Spoleto tem umas lojinhas de roupas bem bacaninhas – e com bons preços!

E fica bem perto de Norcia, cidadezinha fofa considerada a capital das trufas negras e do presunto cru. Lá dá para fazer a famosa (e deliciosa) “caça às trufas” – contamos como é aqui.

Tá vendo? Acho que eu vou mandar uma carta lá para o pessoal da franquia fast-food no Brasil. Degustar qualquer coisa que lembre Spoleto com pressa não tem nada a ver… 😉

[alert style=”3″]

Gostou deste texto? Então veja nossos outros posts sobre a Itália!

Perugia, na Itália: um roteiro com “dolce vita”, jazz e muito chocolate

Assis: dicas, história e religião nos passos de São Francisco de Assis

Cascata delle Marmore: dica de um passeio diferente no coração da Itália e pertinho de Roma

Pílulas de viagem: o prédio anti-fofoca

“Caçando” trufas negras na Itália: como foi, como faz e como é mágica a experiência

Ingressos para ônibus turísticos em Roma e Florença

Cinque Terre revelada: dicas de hospedagem, transporte, comida, trilhas e “dolce far niente”.

Itália em pílulas: o melhor

Atrás da trufa perfeita: um roteiro despretensioso (e calórico) por alguns recantos onde comer na Itália

sorvete de mentira do mundo e um Museu da Tortura para americano ver

San Gimignano de bicicleta: dica para esticar a estadia e curtir a cidade sobre duas rodas

Degustando a Toscana, na Itália: passeios de carro, hospedagens em castelos e um sexto sentido viajante

Atrás da trufa perfeita: um roteiro despretensioso (e calórico) por alguns recantos onde comer na Itália

Itália em Pílulas: Curiosidade sobre o Limoncello

Hospedagem, deslocamento, wi-fi e passes em Roma: um “test-drive” mastigadíssimo das dicas!

[/alert]

Esta blogueira que vos fala foi à região da Umbria, na Itália, convidada pelo Ministério do Turismo, integrando a delegação brasileira que fez parte do projeto Brasil Próximo, de colaboração entre Brasil e Itália. O objetivo foi conhecer melhor os atrativos turísticos da região, mas todas as opiniões, comentários e sugestões aqui descritas são genuínas, e representam a opinião da própria autora.

Comments

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor escreva o seu comentário! :)
Por favor escreva seu nome aqui

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.